Até o Financial Times critica o impeachment

A aceitação do pedido de abertura de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi criticado pelo jornal britânico "Financial Times", que atribuiu o início dos procedimentos como atos de "políticos rivais tentando salvar a própria pele em meio ao escândalo de corrupção"; jornal destacou que Eduardo Cunha "foi acusado de esconder milhões de dólares de propina em contas na Suíça"; "Ele achava que o partido da situação, o PT, iria protegê-lo. Quando isso não aconteceu, ele deu início à tramitação do impeachment, justificando que tratava-se de uma questão 'técnica'", diz a reportagem

A aceitação do pedido de abertura de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi criticado pelo jornal britânico "Financial Times", que atribuiu o início dos procedimentos como atos de "políticos rivais tentando salvar a própria pele em meio ao escândalo de corrupção"; jornal destacou que Eduardo Cunha "foi acusado de esconder milhões de dólares de propina em contas na Suíça"; "Ele achava que o partido da situação, o PT, iria protegê-lo. Quando isso não aconteceu, ele deu início à tramitação do impeachment, justificando que tratava-se de uma questão 'técnica'", diz a reportagem
A aceitação do pedido de abertura de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi criticado pelo jornal britânico "Financial Times", que atribuiu o início dos procedimentos como atos de "políticos rivais tentando salvar a própria pele em meio ao escândalo de corrupção"; jornal destacou que Eduardo Cunha "foi acusado de esconder milhões de dólares de propina em contas na Suíça"; "Ele achava que o partido da situação, o PT, iria protegê-lo. Quando isso não aconteceu, ele deu início à tramitação do impeachment, justificando que tratava-se de uma questão 'técnica'", diz a reportagem (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A aceitação do pedido de abertura de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi criticado pelo jornal britânico "Financial Times", que atribuiu o início dos procedimentos como atos de "políticos rivais tentando salvar a própria pele em meio ao escândalo de corrupção."

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que aceitou o pedido de impeachment, é descrito como um operador político habilidoso. "Cunha foi acusado de esconder milhões de dólares de propina em contas na Suíça", explicou o texto. "Ele achava que o partido da situação, o PT, iria protegê-lo. Quando isso não aconteceu, ele deu início à tramitação do impeachment, justificando que tratava-se de uma questão 'técnica'", acrescentou o jornal.

O texto ressalta, porém, que o impeachment de Fernando Collor, em 1992, não conseguiu fazer o país deixar a corrupção de lado e que a operação que serviu de inspiração à Lava Jato, a Mãos Limpas, da Itália, criou a "falsa expectativa de que juízes podem renovar a política".

Por fim, a publicação afirmou que a tramitação do impeachment só irá distrair Brasília mais ainda da economia, problema mais sério do país. "Mas, em meio à tristeza e à melancolia crescentes, há mudanças encorajadoras, até mesmo exemplares".

O jornal também elogiou a operação Lava Jato.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247