'Bolha eleitoral', 'pulverização de nicho, 'letargia eleitoral', as explicações rocambolescas da mídia para a eleição sem Lula

As explicações agônicas para o comportamento indócil do eleitor se multiplicam nas mídias tradicionais; o diretor do Datafolha, Mauro Paulino, em colaboração com Alessandro Janoni, tece curioso artigo em que se debate com a evidência de que a 'instabilidade ausência/presença de Lula' é a grande protagonista do comportamento pouco previsível do eleitor no que diz respeito ao campo conservador - uma vez que o campo progressista representado por Lula segue com forte viés de alta

'Bolha eleitoral', 'pulverização de nicho, 'letargia eleitoral', as explicações rocambolescas da mídia para a eleição sem Lula
'Bolha eleitoral', 'pulverização de nicho, 'letargia eleitoral', as explicações rocambolescas da mídia para a eleição sem Lula
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As explicações agônicas para o comportamento indócil do eleitor se multiplicam nas mídias tradicionais. A preferência escancarada por Lula vai confundindo até os técnicos que coordenam as pesquisas eleitorais. O diretor do Datafolha, Mauro Paulino, em colaboração com Alessandro Janoni, tece curioso artigo em que se debate com a evidência olímpica de que a 'instabilidade ausência/presença de Lula'é a grande protagonista do comportamento pouco previsível do eleitor no que diz respeito ao campo conservador - uma vez que o campo progressista subscrito em Lula segue com forte e consolidado viés de alta.

"Uma letargia eleitoral toma conta do cenário político. Mas trata-se de um torpor lúcido —apesar de estímulos de grande repercussão social e econômica, a opinião pública mantém suas tendências de intenção de voto. Ou da anulação dele: como o Datafolha vem alertando há algum tempo, mantém-se recorde, em período equivalente, a taxa dos que pretendem votar em branco ou anular o voto nas próximas eleições.

Nas situações em que Lula (PT) é excluído da disputa, brancos e nulos superam Jair Bolsonaro (PSL), candidato que lidera, em nove pontos percentuais. Mesmo a prisão do petista não alterou o quadro significativamente, ao menos na pesquisa estimulada, na qual o ex-presidente é relacionado como candidato. Lula lidera com folga tanto no primeiro quanto no segundo turno."

Leia mais aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247