Bolsonaro terá de esclarecer fala sobre pai de presidente da OAB, diz ONU

Relatores da ONU alertam que Jair Bolsonaro tem a obrigação de detalhar seus comentários feitos sobre o desaparecimento de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB. A mensagem da ONU foi incisiva: "qualquer pessoa que obstrua as investigações ou retenha tais informações pode ser responsabilizada pela continuação do cometimento de um desaparecimento forçado"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Relatores da ONU alertam que Jair Bolsonaro tem a obrigação de detalhar seus comentários feitos sobre o desaparecimento de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB. A mensagem da ONU foi incisiva: "qualquer pessoa que obstrua as investigações ou retenha tais informações pode ser responsabilizada pela continuação do cometimento de um desaparecimento forçado."

A mensagem, dirigida o governo brasileiro foi assinada pelo presidente do Grupo de Trabalho da ONU sobre Desaparecimentos Forçados, Bernard Duhaime, e o relator da ONU para o Direito à Verdade, Fabian Savioli, fazem um alerta: "qualquer pessoa que obstrua as investigações ou retenha tais informações pode ser responsabilizada pela continuação do cometimento de um desaparecimento forçado".

A reportagem do jornalista Jamil Chade, locada em seu blog no portal Uol, relembra que "em julho, Bolsonaro disse que poderia "contar a verdade" sobre como o pai de Santa Cruz desapareceu na ditadura militar. O atual presidente da OAB é filho de Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira, integrante do grupo Ação Popular (AP), organização contrária ao regime militar."

O ex-capitão ainda disse: "um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade", disse Bolsonaro. "Conto pra ele. Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar nas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro."

A matéria ainda acrescenta que "de acordo com a carta enviada pela ONU, o desaparecimento forçado do Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira foi investigado pela Comissão Nacional da Verdade, que concluiu que ele foi "preso e assassinado por agentes do Estado brasileiro e continua desaparecido".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email