Boulos a Villa: as besteiras que você fala estão previstas na democracia

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos - que também tem formação de psicanalista – deu uma entrevista a Marco Antonio Villa e conferiu algum significado à postura folclórica do jornalista-historiador; Boulos disse que a democracia inclui lidar com aquele tipo de ‘besteira’

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos - que também tem formação de psicanalista – deu uma entrevista a Marco Antonio Villa e conferiu algum significado à postura folclórica do jornalista-historiador; Boulos disse que a democracia inclui lidar com aquele tipo de ‘besteira’
O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos - que também tem formação de psicanalista – deu uma entrevista a Marco Antonio Villa e conferiu algum significado à postura folclórica do jornalista-historiador; Boulos disse que a democracia inclui lidar com aquele tipo de ‘besteira’ (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos - que também tem formação de psicanalista – deu uma entrevista a Marco Antonio Villa e conferiu algum significado à postura folclórica do jornalista-historiador. Boulos disse que a democracia inclui lidar com aquele tipo de ‘besteira’.

Do jornal GGN: “em uma sabatina tensa na rádio Jovem Pan, o presidenciável do PSOL Guilherme Boulos defendeu o controle social dos meios de comunicação e a democratização da mídia. Respondendo diretamente ao comentarista Marco Antonio Villa - que atacou inúmeras vezes o pré-candidato por causa de sua militância no MTST - Boulos disse que a liberdade de imprensa é importante "até para que você [Villa] possa aqui acusar pessoas, atacar sem consistência, sem provas e ofender. Mesmo você falando todas as besteiras que fala, [ter liberdade] é bom para a democracia brasileira", disparou. 

Em revide, Villa disse que ataca "sistematicamente" Boulos porque acha "seus atos criminosos. Eles rompem com a lei." O comentarista defendeu, durante toda a sabatina, que movimentos sociais que vão às ruas em protestos por mais direitos, ou que fazem "invasões" em prédios privados, são "bardeneiros" e "criminosos". O historiador, ao lado de Vera Magalhães, tentou criminalizar movimentos de moradia e responsabilizar o MTST pelas dezenas de mortes em decorrência do recente desabamento de um prédio ocupado em São Paulo.”


Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247