Campanha de Dilma vê "incoerência" em Marina

Texto intitulado "incoerência crônica", publicado neste sábado na página de campanha da presidente no Facebook, define a candidata do PSB como "um grande ponto de interrogação na política"; campanha petista critica a postura de Marina Silva, uma "evangélica fervorosa", em ter voltado atrás na questão da causa gay em seu programa de governo e lembra que a ex-senadora já defendeu as ações de Marco Feliciano, deputado "famoso pelas críticas homofóbicas"; discurso de "nova política", segundo a equipe de Dilma, é "vazio"

Texto intitulado "incoerência crônica", publicado neste sábado na página de campanha da presidente no Facebook, define a candidata do PSB como "um grande ponto de interrogação na política"; campanha petista critica a postura de Marina Silva, uma "evangélica fervorosa", em ter voltado atrás na questão da causa gay em seu programa de governo e lembra que a ex-senadora já defendeu as ações de Marco Feliciano, deputado "famoso pelas críticas homofóbicas"; discurso de "nova política", segundo a equipe de Dilma, é "vazio"
Texto intitulado "incoerência crônica", publicado neste sábado na página de campanha da presidente no Facebook, define a candidata do PSB como "um grande ponto de interrogação na política"; campanha petista critica a postura de Marina Silva, uma "evangélica fervorosa", em ter voltado atrás na questão da causa gay em seu programa de governo e lembra que a ex-senadora já defendeu as ações de Marco Feliciano, deputado "famoso pelas críticas homofóbicas"; discurso de "nova política", segundo a equipe de Dilma, é "vazio" (Foto: Gisele Federicce)

247 – Em um texto publicado na página da presidente Dilma Rousseff no Facebook neste sábado 30, a equipe de campanha da petista chama a candidata do PSB, Marina Silva, de "evangélica fervorosa" e aponta "incoerência" e "controvérsia" da ex-senadora. A candidata é "um grande ponto de interrogação na política", diz o texto.

O texto critica a postura de Marina de ter voltado atrás ontem na questão da causa gay em seu programa de governo, após ter sido pressionado pelo Pastor Silas Malafaia, e lembra que ela já defendeu o discurso do deputado Marco Feliciano (PSC-SP), "famoso pelas críticas homofóbicas".

Citando o uso do jato fantasma na campanha do PSB, o texto afirma ainda que "Marina se utiliza do discurso de fazer uma 'nova política' para justificar as velhas práticas usadas por ela e seu partido PSB". O uso irregular do avião "deixa claro o vazio desse discurso", conclui o texto. Leia abaixo a íntegra:

INCOERÊNCIA CRÔNICA

A candidata à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva, é um grande ponto de interrogação na política.

Ontem (29), Marina Silva divulgou seu plano de governo. Não demorou muito para que as controvérsias das propostas da candidata viessem à tona.

Tanto que, hoje (30), voltou atrás e substituiu o trecho sobre os direitos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transsexuais) que integrava o documento.

O texto, que antes dizia que Marina iria defender a que o casamento gay virasse lei, agora cita apenas a garantia dos "direitos oriundos da união civil entre pessoas do mesmo sexo".

Evangélica fervorosa, Marina já teve várias opiniões sobre o tema. Em 2010, era contrária e, em 2013, chegou a defender as ações de Marco Feliciano (PSC-SP), famoso pelas críticas homofóbicas.

Outro assunto que a candidata sempre evita comentar é a questão do aborto. Antes condenava com veemência a legalização. Hoje, segundo ela, a decisão deve ser tomada após um plebiscito.

Além disso, Marina se utiliza do discurso de fazer uma "nova política" para justificar as velhas práticas usadas por ela e seu partido PSB.

O uso do avião que vitimou Eduardo Campos e a desculpa de que "não teve interesse em questionar a procedência do avião", adquirido por meio de empresas fantasmas, deixa claro o vazio deste discurso.

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247