Cartelização do jornalismo econômico produziu um neoliberalismo chinfrim, diz Nassif

O jornalista Luis Nassif afirma que a cartelização do jornalismo econômico somada à mediocridade natural das tecnocracias aboletadas no poder tornou o pensamento neoliberal brasileiro uma espécie de piada de mau gosto; Nassif diz que o segmento jogou fora uma oportunidade única – o golpe – para mostrar algum tipo de serviço e representa, hoje, uma ausência dramática de projeto

Cartelização do jornalismo econômico produziu um neoliberalismo chinfrim, diz Nassif
Cartelização do jornalismo econômico produziu um neoliberalismo chinfrim, diz Nassif (Foto: Sindjorce| )
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jornalista Luis Nassif afirma que a cartelização do jornalismo econômico somada à mediocridade natural das tecnocracias aboletadas no poder tornou o pensamento neoliberal brasileiro uma espécie de piada de mau gosto. Nassif diz que o segmento jogou fora uma oportunidade única – o golpe – para mostrar algum tipo de serviço e representa, hoje, uma ausência dramática de projeto.

“Um dos grandes problemas do chamado pensamento neoliberal brasileiro é a absoluta incapacidade de elaborar um projeto de país. Desde os anos 80, essa linha de pensamento abandonou qualquer veleidade de pensar a economia real brasileira, com suas especificidades, características, buscando soluções objetivas para problemas reais ou desenhando um projeto mínimo de futuro.

O conflito economia real x financeira existe desde o Império. Mas, em outros tempos, havia os demiurgos, os pensadores liberais que juntavam conhecimento econômico, busca de soluções para os problemas institucionais, e vocação de homens públicos, como Octávio Gouvêa de Bulhões, Casemiro Ribeiro, Ernâne Galveas. Hoje em dia, as bandeiras liberais foram apropriadas por uma mediocridade ampla, subordinada ao ideologismo mais superficial. Tudo isso com o apoio fundamental da cartelização da mídia e do jornalismo econômico, reduzindo a discussão econômica a um conjunto de bordões sem pé nem cabeça, mas influenciando fundamentalmente os poderes.

Leia mais aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247