Cerveró desdiz o que disse sobre Lula. E agora?

Em setembro do ano passado, a imprensa brasileira repercutiu com estardalhaço trechos do esboço de delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor internacional da Petrobras; a acusação era que a campanha de Lula em 2006 havia recebido R$ 4 milhões da Odebrecht em contrapartida por obras na refinaria de Pasadena – o que mereceu até capa da revista Época; agora, sabe-se, pelo Valor Econômico, que esta informação não consta da delação oficial de Cerveró; ou seja: enquanto negociava seu acordo, Cerveró esquentava as acusações; ao ter que falar oficialmente, retirou a pimenta que fez a festa da imprensa engajada na destruição de Lula e das empreiteiras nacionais

www.brasil247.com - Em setembro do ano passado, a imprensa brasileira repercutiu com estardalhaço trechos do esboço de delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor internacional da Petrobras; a acusação era que a campanha de Lula em 2006 havia recebido R$ 4 milhões da Odebrecht em contrapartida por obras na refinaria de Pasadena – o que mereceu até capa da revista Época; agora, sabe-se, pelo Valor Econômico, que esta informação não consta da delação oficial de Cerveró; ou seja: enquanto negociava seu acordo, Cerveró esquentava as acusações; ao ter que falar oficialmente, retirou a pimenta que fez a festa da imprensa engajada na destruição de Lula e das empreiteiras nacionais
Em setembro do ano passado, a imprensa brasileira repercutiu com estardalhaço trechos do esboço de delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor internacional da Petrobras; a acusação era que a campanha de Lula em 2006 havia recebido R$ 4 milhões da Odebrecht em contrapartida por obras na refinaria de Pasadena – o que mereceu até capa da revista Época; agora, sabe-se, pelo Valor Econômico, que esta informação não consta da delação oficial de Cerveró; ou seja: enquanto negociava seu acordo, Cerveró esquentava as acusações; ao ter que falar oficialmente, retirou a pimenta que fez a festa da imprensa engajada na destruição de Lula e das empreiteiras nacionais (Foto: Leonardo Attuch)


247 – Uma reportagem desta quinta-feira do jornal Valor Econômico comprova como a imprensa brasileira é facilmente manipulável por vazamentos seletivos de processos judiciais.

Em setembro do ano passado, a imprensa engajada na destruição do ex-presidente Lula e das empreiteiras nacionais reagiu com estardalhaço a um vazamento que dizia respeito ao esboço de delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor internacional da Petrobras.

Nos documentos, dizia-se que a campanha de Lula em 2006 havia recebido R$ 4 milhões da Odebrecht em contrapartida por obras na refinaria de Pasadena – o que mereceu até capa da revista Época (relembre aqui).

Agora, sabe-se, pelo Valor Econômico, que esta informação não consta da delação oficial de Cerveró (leia mais aqui).

Ou seja: enquanto negociava com os procuradores seu acordo de delação premiada, Cerveró esquentava as acusações. Ao ter que falar oficialmente, retirou a pimenta que fez a festa da imprensa.

Ouvidos pelo Valor Econômico, representantes do Ministério Público afirmaram ser normais eventuais discrepâncias entre propostas de delações – e as delações oficiais. Na prática, é como se o trailer de um filme fosse mais picante do que a produção final.

Além disso, além de servir para o esforço de desconstrução de Lula, a "propina de R$ 4 milhões em Pasadena", também contribuiu para a desmoralização da Odebrecht, cujo presidente, Marcelo, continua preso.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email