DCM: desde quando investigava frangos de Maluf, Moraes conhece os atalhos do poder

"Alexandre de Moraes tem livros publicados – alguns deles agora contestados por evidências de plágio – e uma carreira acadêmica sem brilho – seus ex-alunos, quando vêm a público, é para criticá-lo, como a acusação de que teria justificado, em sala de aula, a tortura como meio para obter informação, em situação extrema. Mas é inegável que Alexandre conhece como poucos os atalhos que levam ao poder e não hesita em percorrê-los. É este o profissional que o governo Temer indicou ao País para ser um guardião da Constituição pelos próximos 26 anos", escreve Joaquim de Carvalho no DCM

Alexandre de Moraes em 1997, quando era promotor em São Paulo
Alexandre de Moraes em 1997, quando era promotor em São Paulo (Foto: Giuliana Miranda)

Por Joaquim de Carvalho, no DCM

Eu entrevistei Alexandre de Moraes quando ele estava no início de carreira, em 1997. Era promotor de justiça em São Paulo e cuidava do inquérito civil público que apurava corrupção na venda de frangos para a merenda em São Paulo.

O alvo da investigação era Paulo Maluf e a empresa que vendia os frangos tinha conexão com sua mulher, Sylvia Lutfalla, e um genro. Alexandre estava muito empenhado nesta investigação, e agora é possível entender por que.

Maluf era o maior adversário do PSDB e ameaçava o partido em duas frentes: na esfera federal, onde queria disputar a presidência e evitar a aprovação da emenda da reeleição que permitiria uma nova candidatura de Fernando Henrique Cardoso, e em São Paulo, onde, na hipótese de não disputar eleições presidenciais, tentaria o governo do Estado, ameaçando Mário Covas.

A investigação de Alexandre de Moraes repercutiu muito, embora os valores envolvidos no negócio do frango fosse quirera perto de outros escândalos de corrupção, algo como R$ 1,4 milhão.

Alexandre deu muitas entrevistas e o caso do frango teve seu peso em favor de Covas, que venceu Maluf numa virada nas urnas que parecia improvável. Moraes cresceu na política e passou a servir diretamente ao governo.

Primeiramente, teve como padrinho o principal herdeiro do patrimônio político de Covas (falecido em 2001), Geraldo Alckmin, para quem trabalhou como presidente da Febem (atual Fundação Casa), num período onde houve um número recorde de rebeliões, com mortes e o caso do estupro de uma funcionária.

Com o desgaste da gestão de Moraes na Febem, Alckmin o removeu para cima, com a indicação para o Conselho Nacional de Justiça.

Depois, Alexandre de Moraes serviu ao prefeito Gilberto Kassab, grande rival de Geraldo Alckmin. Mais tarde, voltou ao ninho tucano, como secretário de Segurança Pública de Alckmin.

Alexandre de Moraes tem livros publicados – alguns deles agora contestados por evidências de plágio – e uma carreira acadêmica sem brilho – seus ex-alunos, quando vêm a público, é para criticá-lo, como a acusação de que teria justificado, em sala de aula, a tortura como meio para obter informação, em situação extrema.

Mas é inegável que Alexandre conhece como poucos os atalhos que levam ao poder e não hesita em percorrê-los. É este o profissional que o governo Temer indicou ao País para ser um guardião da Constituição pelos próximos 26 anos.

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247