DCM: por que os chefões do tráfico estão rindo de Temer & cia

"Os 445 quilos de pasta base de cocaína foram apreendidos por uma força tarefa que uniu policiais federais e militares do Espírito Santo", diz o jornalista Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo; "Os Perrellas foram inocentados alguns dias depois. Seis meses mais tarde, no dia em que prestariam depoimento, os quatro envolvidos foram soltos sem interrogatório"; blogueiro lembra que o jornalista inglês Misha Glenny, que mergulhou no crime organizado transnacional no livro 'McMáfia'

"Os 445 quilos de pasta base de cocaína foram apreendidos por uma força tarefa que uniu policiais federais e militares do Espírito Santo", diz o jornalista Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo; "Os Perrellas foram inocentados alguns dias depois. Seis meses mais tarde, no dia em que prestariam depoimento, os quatro envolvidos foram soltos sem interrogatório"; blogueiro lembra que o jornalista inglês Misha Glenny, que mergulhou no crime organizado transnacional no livro 'McMáfia'
"Os 445 quilos de pasta base de cocaína foram apreendidos por uma força tarefa que uniu policiais federais e militares do Espírito Santo", diz o jornalista Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo; "Os Perrellas foram inocentados alguns dias depois. Seis meses mais tarde, no dia em que prestariam depoimento, os quatro envolvidos foram soltos sem interrogatório"; blogueiro lembra que o jornalista inglês Misha Glenny, que mergulhou no crime organizado transnacional no livro 'McMáfia' (Foto: Leonardo Lucena)

247 - "Os 445 quilos de pasta base de cocaína foram apreendidos por uma força tarefa que uniu policiais federais e militares do Espírito Santo. Estavam sendo descarregados do helicóptero da família do senador Zezé Perrella, de Minas Gerais, aliado fiel de Aécio Neves. O carregamento ocorrera no Paraguai", diz o jornalista Kiko Nogueira, no Diario do Centro do Mundo.

"A PF prendeu os dois pilotos — um deles, funcionário da Assembleia Legislativa de MG por indicação do então deputado estadual Gustavo Perrella, filho de Zezé –, um empresário que mora no interior do Rio de Janeiro e um jardineiro contratado para ajudar a carregar a mercadoria. Os Perrellas foram inocentados alguns dias depois. Seis meses mais tarde, no dia em que prestariam depoimento, os quatro envolvidos foram soltos sem interrogatório", afirma.

O blogueiro lembra que o jornalista inglês Misha Glenny, que mergulhou no crime organizado transnacional no livro 'McMáfia', falou ao El Pais sobre os atacadistas e os varejistas do mundo do tóxico. "O perfil social dos envolvidos no tráfico do atacado no Brasil não tem nada a ver com a figura do bandido morador de favela que existe no imaginário da população. Quem faz esse serviço costumam ser pessoas de classe média e classe alta que têm negócios legítimos operando, geralmente nas áreas de transporte e agricultura", disse Glenny, conforme relato de Nogueira

"Os verdadeiros chefões estarão sempre protegidos por Temer e sua turma", acrescenta o jornalista.

Leia a íntegra no DCM

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247