Deboche togado: chefe do TJ de SP diz que auxílio “é muito pouco”

"O grau de arrogância da cúpula do Judiciário – já não dá para chamar de Justiça, não é? – chegou ao nível do deboche e do desrespeito à população", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "relata O Globo, ao tomar posse na presidência do TJ-SP, o desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, reagiu com um chilique à pergunta, absolutamente normal, sobre o que achava do auxílio-moradia generalizado recebido por ele e pela grande maioria dos juízes e desembargadores", diz o blogueiro

"O grau de arrogância da cúpula do Judiciário – já não dá para chamar de Justiça, não é? – chegou ao nível do deboche e do desrespeito à população", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "relata O Globo, ao tomar posse na presidência do TJ-SP, o desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, reagiu com um chilique à pergunta, absolutamente normal, sobre o que achava do auxílio-moradia generalizado recebido por ele e pela grande maioria dos juízes e desembargadores", diz o blogueiro
"O grau de arrogância da cúpula do Judiciário – já não dá para chamar de Justiça, não é? – chegou ao nível do deboche e do desrespeito à população", diz Fernando Brito, do Tijolaço; "relata O Globo, ao tomar posse na presidência do TJ-SP, o desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, reagiu com um chilique à pergunta, absolutamente normal, sobre o que achava do auxílio-moradia generalizado recebido por ele e pela grande maioria dos juízes e desembargadores", diz o blogueiro (Foto: Leonardo Lucena)

Por Fernando Brito, do Tijolaço - O grau de arrogância da cúpula do Judiciário – já não dá para chamar de Justiça, não é? – chegou ao nível do deboche e do desrespeito à população.

Hoje,  relata O Globo,ao tomar posse na presidência do Tribunal de Justiça de São Paulo, o desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças, reagiu com um chilique à pergunta, absolutamente normal, sobre o que achava do auxílio-moradia generalizado recebido por ele e pela grande maioria dos juízes e desembargadores:

— Eu acho muito pouco. É isso que você (repórter) queria ouvir? Agora coloca lá: ‘o desembargador disse que é muito pouco’ — disse.

Depois de “explicar” que o seu colega que recebe auxílio tem 60 imóveis na capital paulista porque foi “herança” (o que não explica, claro, porque ele recebe, tendo, por herança ou não, 60 imóveis) e que ele próprio tem vários:

 Recebo [ o auxílio-moradia]. Tenho vários imóveis, não é só um .

Indagou se os jornalistas tinham filhos, se eram contra herança e deu um “piti”, dizendo que estava sendo “agredido por uma moça”, referindo-se a uma jornalista.

E, numa construção absolutamente original, disse que o auxílio era ético “porque  é legal”.

Ora, Doutor, ser legal não torna nada ético (a escravidão, por exemplo, era legal) e o senhor não é capaz – e ninguém é capaz – de mostrar qual é a lei que garante o auxílio indiscriminado.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247