Delação de Funaro é oportunidade para debater validade jurídica do impeachment de Dilma

"A delação do doleiro Lúcio Bolonha Funaro deveria motivar o debate sério sobre a validade do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Um debate estritamente jurídico, não político, para anular a votação que abriu caminho para a cassação de Dilma", escreve Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo; ele reflete sobre o fato de Lúcio Funaro ter contado em delação premiada que entregou a dinheiro ao ex-deputado Eduardo Cunha para comprar votos de deputados às vésperas do impeachment da votação da abertura do impeachment

"A delação do doleiro Lúcio Bolonha Funaro deveria motivar o debate sério sobre a validade do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Um debate estritamente jurídico, não político, para anular a votação que abriu caminho para a cassação de Dilma", escreve Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo; ele reflete sobre o fato de Lúcio Funaro ter contado em delação premiada que entregou a dinheiro ao ex-deputado Eduardo Cunha para comprar votos de deputados às vésperas do impeachment da votação da abertura do impeachment
"A delação do doleiro Lúcio Bolonha Funaro deveria motivar o debate sério sobre a validade do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Um debate estritamente jurídico, não político, para anular a votação que abriu caminho para a cassação de Dilma", escreve Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo; ele reflete sobre o fato de Lúcio Funaro ter contado em delação premiada que entregou a dinheiro ao ex-deputado Eduardo Cunha para comprar votos de deputados às vésperas do impeachment da votação da abertura do impeachment (Foto: Romulo Faro)

247 - "A delação do doleiro Lúcio Bolonha Funaro deveria motivar o debate sério sobre a validade do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Um debate estritamente jurídico, não político, para anular a votação que abriu caminho para a cassação de Dilma", escreve Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo.

Ele reflete sobre o fato de Lúcio Funaro ter contado em delação premiada que entregou a dinheiro ao ex-deputado Eduardo Cunha (então presidente da Câmara) para comprar votos de deputados às vésperas do impeachment da votação da abertura do impeachment.

Leia mais aqui.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247