Economistas que execraram Dilma por aumento de impostos agora compreendem Temer

Um exemplo citado por Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo (DCM) foi o do professor da FGV e sócio da consultoria GO Associados, Gesner Oliveira, que avaliou assim a medida do governo Temer: "O aumento de impostos não é ideal, mas é necessário"; muito diferente da análise que o economista fez em 2015, quando Dilma Rousseff propôs a recriação da CPMF temporária para equilibrar as contas; "Não tem sentido. A sociedade não aguenta mais esse tipo de asfixia tributária"; ele lembra que a colunista Miriam Leitão também foi neutra em relação à medida de Temer, o que pode ser considerado positivo

Um exemplo citado por Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo (DCM) foi o do professor da FGV e sócio da consultoria GO Associados, Gesner Oliveira, que avaliou assim a medida do governo Temer: "O aumento de impostos não é ideal, mas é necessário"; muito diferente da análise que o economista fez em 2015, quando Dilma Rousseff propôs a recriação da CPMF temporária para equilibrar as contas; "Não tem sentido. A sociedade não aguenta mais esse tipo de asfixia tributária"; ele lembra que a colunista Miriam Leitão também foi neutra em relação à medida de Temer, o que pode ser considerado positivo
Um exemplo citado por Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo (DCM) foi o do professor da FGV e sócio da consultoria GO Associados, Gesner Oliveira, que avaliou assim a medida do governo Temer: "O aumento de impostos não é ideal, mas é necessário"; muito diferente da análise que o economista fez em 2015, quando Dilma Rousseff propôs a recriação da CPMF temporária para equilibrar as contas; "Não tem sentido. A sociedade não aguenta mais esse tipo de asfixia tributária"; ele lembra que a colunista Miriam Leitão também foi neutra em relação à medida de Temer, o que pode ser considerado positivo (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo (DCM), aponta a diferença dos posicionamentos dos economistas preferidos da mídia na análise do aumento de impostos pelo governo Temer e pela tentativa de fazer o mesmo por Dilma Rousseff.

Ele cita o exemplo o do professor da FGV e sócio da consultoria GO Associados, Gesner Oliveira, que avaliou assim a medida do governo Temer: "O aumento de impostos não é ideal, mas é necessário".

Bem diferente do que disse em 2015, quando Dilma propôs a recriação da CPMF temporária para equilibrar as contas: "Não tem sentido. A sociedade não aguenta mais esse tipo de asfixia tributária".

Carvalho lembra também que a colunista Miriam Leitão, da Globo, foi neutra em relação à medida de Temer, o que pode ser considerado positivo.

Ele observa que os analistas "calibram sua análise de acordo com os interesses do mercado. Ou políticos. No final, interesses de mercado e interesses políticos acabam sendo a mesma coisa".

Leia aqui a íntegra.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247