Edinho: 'Dilma nas redes sociais é caminho sem volta'

Ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, disse nesta quarta-feira 6 que a presidente Dilma deve intensificar o diálogo com a população por meio das redes sociais; "A presidenta não está fora do rádio nem da TVs nem dos jornais nem das revistas. Ela se comunica cotidianamente utilizando esses instrumentos de comunicação. O que a presidenta tem feito, e fez no dia 1º de maio, foi priorizar a comunicação por meio das redes sociais, valorizando um modal de comunicação. Isso não significa que os demais não serão utilizados"

Ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, disse nesta quarta-feira 6 que a presidente Dilma deve intensificar o diálogo com a população por meio das redes sociais; "A presidenta não está fora do rádio nem da TVs nem dos jornais nem das revistas. Ela se comunica cotidianamente utilizando esses instrumentos de comunicação. O que a presidenta tem feito, e fez no dia 1º de maio, foi priorizar a comunicação por meio das redes sociais, valorizando um modal de comunicação. Isso não significa que os demais não serão utilizados"
Ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, disse nesta quarta-feira 6 que a presidente Dilma deve intensificar o diálogo com a população por meio das redes sociais; "A presidenta não está fora do rádio nem da TVs nem dos jornais nem das revistas. Ela se comunica cotidianamente utilizando esses instrumentos de comunicação. O que a presidenta tem feito, e fez no dia 1º de maio, foi priorizar a comunicação por meio das redes sociais, valorizando um modal de comunicação. Isso não significa que os demais não serão utilizados" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paulo Victor Chagas – Repórter da Agência Brasil 

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva, disse hoje (6) que a presidenta Dilma Rousseff deve intensificar o diálogo com a população por meio das redes sociais. Ele informou que a comunicação por meio dos veículos tradicionais vai continuar ocorrendo, mas esse "caminho" das plataformas online não tem mais volta.

Em referência aos vídeos postados na internet para marcar o Dia do Trabalho, no primeiro ano em que Dilma não usou a cadeia nacional de rádio e TV para se pronunciar, Edinho Silva voltou a dizer que o motivo da mudança não foram os panelaços que ocorreram no pronunciamento de 8 de março. "A presidenta não está fora do rádio nem da TVs nem dos jornais nem das revistas. Ela se comunica cotidianamente utilizando esses instrumentos de comunicação. O que a presidenta tem feito, e fez no dia 1º de maio, foi priorizar a comunicação por meio das redes sociais, valorizando um modal de comunicação. Isso não significa que os demais não serão utilizados."

Em café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto, o ministro falou ainda sobre o panelaço que ocorreu nessa terça (5) em cidades brasileiras durante o programa do PT na TV e no rádio. "Numa democracia é bom que a gente possa conviver com a diversidade do pensamento de forma tolerante. O que é ruim para a democracia é o ódio quando você tem uma manifestação diferente daquilo que você pensa. Ontem o PT mostrou o que ele pensa, mostrou seu posicionamento, como os demais partidos também têm o direito de mostrar. Isso é bom pra democracia."

Edinho Silva disse que a decisão de a presidenta não ter tido uma participação maior no programa partidário foi tomada por ela em conjunto com o partido e que a fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não compromete a aprovação do ajuste fiscal. "O programa do PT é uma atribuição do partido. Decisões de conteúdo, formato são decisões do partido, o governo não tem que se posicionar. O governo é do PT, mas é também de coalizão. O que prevalece enquanto governo é pensamento construído como coalizão", disse, em referência aos demais partidos da base aliada.

Na opinião do ministro, desde a Constituição Federal de 1988, nunca se exercitou tanto esse modelo de coalizão, que tem gerado benefícios para a democracia. "Conviver com diversidade não é ruim para democracia. Mas as pessoas não são robôs, que ouvem: 'Agora você vai pensar assim'. Elas têm histórias de vida, se posicionaram. O enquadramento [de opiniões] é ruim, melhor é o dialogo, construir posições", declarou.

Ele lembrou ainda que a agenda de Dilma Rousseff tem se voltado prioritariamente para a construção de um plano "arrojado" de investimentos em infraestrutura, que será lançado, no mais tardar, no início do mês de junho.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247