Eduardo Bolsonaro compartilha link de site ligado a assessor da Presidência acusando PC Siqueira de pedofilia

Publicação compartilhada pelo deputado diz que youtuber "se achou 'o cara' por receber fotos de uma menina de 6 anos e compartilhar com os amigos"

(Foto: Adriano Machado/REUTERS | Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fórum - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) compartilhou em suas redes sociais, na noite desta quarta-feira (10), uma publicação do site Senso Incomum que acusa o youtuber PC Siqueira, 34, de pedofilia.

O portal é ligado a Filipe G. Martins, assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais. Filipe atualmente é colunista do site, mas já atuou como editor-adjunto no mesmo.

Uma suposta conversa entre o youtuber e um amigo foi vazada nas redes nesta quarta. No diálogo, que aconteceu via Instagram, PC diz que recebeu fotos de uma criança de 6 anos de idade nua e que as mesmas teriam sido enviadas pela própria mãe da menor.

Leia a íntegra na Fórum.

Confira a suposta conversa:

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247