Eliane Cantanhêde pede cuidado com máquina do PT

Colunista Eliane Cantanhêde diz que é cedo para cantar vitória sobre a disputa à Presidência: “Nunca se deve menosprezar o poder do governo, da máquina, do tempo de propaganda eleitoral na TV e no rádio. Marina Silva é um fenômeno, mas Dilma Rousseff é como aquele personagem: ela tem a força”; segundo ela, ainda tem muita guerra pela frente e o momento não é só de sobreviver, mas de matar

Colunista Eliane Cantanhêde diz que é cedo para cantar vitória sobre a disputa à Presidência: “Nunca se deve menosprezar o poder do governo, da máquina, do tempo de propaganda eleitoral na TV e no rádio. Marina Silva é um fenômeno, mas Dilma Rousseff é como aquele personagem: ela tem a força”; segundo ela, ainda tem muita guerra pela frente e o momento não é só de sobreviver, mas de matar
Colunista Eliane Cantanhêde diz que é cedo para cantar vitória sobre a disputa à Presidência: “Nunca se deve menosprezar o poder do governo, da máquina, do tempo de propaganda eleitoral na TV e no rádio. Marina Silva é um fenômeno, mas Dilma Rousseff é como aquele personagem: ela tem a força”; segundo ela, ainda tem muita guerra pela frente e o momento não é só de sobreviver, mas de matar (Foto: Roberta Namour)

247 – A colunista Eliane Cantanhêde pede cuidado a Marina Silva com o PT. Segundo ela, apesar de ser vista como “onda incontrolável”, ainda é cedo para a ex-senadora cantar vitória:

“Nunca se deve menosprezar o poder do governo, da máquina, do tempo de propaganda eleitoral na TV e no rádio. Marina Silva é um fenômeno, mas Dilma Rousseff é como aquele personagem: ela tem a força”, diz.

Ela faz referência à campanha de Dilma que adicionou o discurso do medo, “martelando na cabeça do eleitor que faltam a Marina experiência, equipe e base parlamentar”. E diz que ainda tem muita guerra pela frente e o momento não é só de sobreviver, mas de matar (leia mais).

O Brasil 247 quer a sua ajuda para tomar decisões importantes. Participe da pesquisa

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247