Época produziu a capa mais furada de 2015

Em julho deste ano, a revista da Globo colocou o vice Michel Temer e o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na linha de frente da chamada "guarda do palácio"; pouco tempo depois, Cunha acolheu um pedido de impeachment e Temer, com sua carta com um pote até aqui de mágoas, se lançou como alternativa de poder

Em julho deste ano, a revista da Globo colocou o vice Michel Temer e o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na linha de frente da chamada "guarda do palácio"; pouco tempo depois, Cunha acolheu um pedido de impeachment e Temer, com sua carta com um pote até aqui de mágoas, se lançou como alternativa de poder
Em julho deste ano, a revista da Globo colocou o vice Michel Temer e o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na linha de frente da chamada "guarda do palácio"; pouco tempo depois, Cunha acolheu um pedido de impeachment e Temer, com sua carta com um pote até aqui de mágoas, se lançou como alternativa de poder (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A competição foi duríssima, o ano foi repleto de barrigadas jornalísticas, mas ninguém tira de Época o título de capa mais furada de 2015.

Ela foi publicada no dia 9 de julho deste ano e colocou tanto o vice-presidente Michel Temer como o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na linha de frente de uma suposta "guarda do palácio" (leia aqui).

Como se sabe, pouco depois disso, Cunha acolheu o pedido de impeachment e Temer passou a conspirar abertamente para assumir o cargo da presidente Dilma Rousseff.

No entanto, para Época, ambos faziam parte da "tropa de choque" de Dilma.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247