Esquerda trata comunicação como detalhe da política, diz pesquisador

Banalização da tragédia da covid-19 e eficiência da comunicação das bases bolsonaristas explicam a ascensão de Bolsonaro, diz Vinícius Wu, da PUC-RJ

Vinícius Wu
Vinícius Wu (Foto: Lia de Paula/MinC)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Eduardo Maretti, da RBA - O auxílio emergencial de R$ 600, pago pelo governo federal à população mais carente durante a pandemia de covid-19, após aprovação no Congresso Nacional, não é isoladamente o fator que explica a ascensão do presidente Jair Bolsonaro na pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira. “É muito improvável que se compreenda a recuperação de Bolsonaro apenas olhando para o tema do auxílio emergencial que, sozinho, não explica o processo”, diz Vinícius Wu, pesquisador em comunicação social pela PUC do Rio de Janeiro. “O auxílio emergencial é importante, mas não é o único fator determinante, e talvez não seja nem o principal.”

Para ele, uma série de fatores tornaram essa recuperação possível.  Um deles seria a estratégia de comunicação de Bolsonaro, que se vale da pandemia para reverter os efeitos catastróficos de sua própria gestão em seu benefício. “O mais importante é a retirada da pandemia da agenda, por parte do governo Bolsonaro. Ele está conseguindo vencer a narrativa, mesmo com uma ampla rejeição por parte da oposição e de vários setores que formam opinião.”

Wu observa que, se Bolsonaro cresceu entre o segmento da população que ganha até dois salários mínimos, a aprovação nos segmentos médios é muito próxima à dos beneficiários do auxílio. “Aliás, a aprovação entre os que recebem até dois salários mínimos é menor do que nesses estratos, pelo Datafolha”, afirma, em entrevista à RBA.

Se a pesquisa Datafolha mostra aprovação do presidente no eleitorado beneficiário do auxílio emergencial de 35% entre os que têm renda familiar até dois salários mínimos, por outro lado ele tem 40% entre os que ganham mais de dez salários mínimos.

Para o pesquisador, o aparato de comunicação constituído em torno do bolsonarismo é decisivo para o resultado da pesquisa, aliado ao fato de que a oposição, segundo ele, “não conseguiu ocupar o espaço aberto no momento mais critico para o governo”.

Isso se explica, na opinião de Wu, pela visão “anacrônica” que a esquerda ainda tem da comunicação. “É preciso que os partidos de esquerda e movimentos sociais parem de ver a comunicação como um detalhe da política. A comunicação é o centro da política”, avalia.

“Nos círculos de debate na esquerda ainda há uma discussão que contrapõe redes e mundo real, que contrapõe redes sociais e movimento de base, o que é absolutamente anacrônico. Não existe mais essa distinção entre a luta politica ‘real’, nas ruas, nas bases, e a ação em rede e meios digitais” , destaca o pesquisador.

Enquanto isso, o “exército” bolsonarista nas redes, mesmo com os revezes sofridos por bloqueios de contas nas plataformas e ações judiciais e policiais, continua na dianteira, com suas estruturas de inteligência eficientes e “muito potentes”.

Leia a reportagem completa na Rede Brasil Atual.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247