Estudo mostra apoio massivo a Moro vindo de robôs do Irã

Estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) publicado pela revista Veja nesta sexta-feira (12) mostra que hashtags de apoio a Sérgio Moro como #somostodosmoro e #pavaomisteriosovoltou, que chegaram aos trending topics do Twitter após a divulgação de conversas entre o ex-juiz com o procurador Deltan Dallagnol, foram impulsionadas por robôs no Irã

Brasiia DF - O ministro da Justiça e segurança , Sergio Moro, durante cerimonia para assinatura de Portaria Interministerial
Brasiia DF - O ministro da Justiça e segurança , Sergio Moro, durante cerimonia para assinatura de Portaria Interministerial (Foto: Marcelo Camargo/Ag Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Da sexta-feira (5), dia em que a revista Veja divulgou em parceria com o Intercept Brasil conversas nada republicanas entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, até a terça-feira (9), o assunto recebeu 3,2 milhões menções no Twitter, de acordo com estudo da Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Dessas mensagens, "cerca de 220 000 foram provavelmente feitas por robôs, a maioria delas em tom crítico a VEJA", informa a revista.

Outro dado curioso: uma quantidade considerável desses tuítes supostamente automatizados, que ajudou a subir hashtags como #glenncomproumandato, #somostodosmoro e #pavaomisteriosovoltou nos trending topics, veio do Irã

"Como apoios no Oriente Médio ao ex-juiz são pouco plausíveis, a hipótese de que esses perfis sejam robôs é, segundo os especialistas, a mais aceitável", ironiza a VEJA.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247