Fernando Brito: a receita do “Dr.” Bolsonaro transforma Brasil em cobaia

"O Sistema Único de Saúde, a partir de hoje, tende a tornar seus pacientes cobaias de um grande ensaio clínico de medicamentos que envolvem milhões de dólares e centenas de milhares de vidas", escreve o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço. "Seremos uma vasta fauna à disposição de um experimento mortal, conduzido pelo Presidente da República"

(Foto: Carolina Antunes - PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Aconteceu o impensável, mas não o imprevisível.

Jair Bolsonaro apareceu em rede nacional de televisão “prescrevendo” o remédio milagroso contra o coronavírus, aquele que o mundo inteiro não se atreveu a suar.

É o presidente quem medica, não os cientistas e os médicos.

Danem-se os protocolos científicos, os estudos científicos, os ensaios clínicos.

Se o governante do país prescreve e o ministro da Saúde se cala, dizendo que “é o Conselho Federal de Medicina quem decide”, sem ter coragem nem meios para decidir, porque um médico de trinta e poucos anos vai decidir?

Tem uma recomendação oficial, nem mesmo contestada, porque não haveria de dar hidroxicloroquina ao paciente que, desesperado, pede algo que possa lhe aliviar a angústia respiratória?

Pode um passe de umbanda? Pode! Pode uma vela e um copo d’água? Pode! Pode uma oração? Pode!

Tudo isso pode, mas não é medicina.

O Sistema Único de Saúde, a partir de hoje, tende a tornar seus pacientes cobaias de um grande ensaio clínico de medicamentos que envolvem milhões de dólares e centenas de milhares de vidas.

Seremos uma vasta fauna à disposição de um experimento mortal, conduzido pelo Presidente da República.

Teremos sorte se o cenário à frente for o da Itália, com comboios de caminhões militares a carregarem corpos, como vimos na Itália.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247