Fernando Brito: resposta do governo à crise econômica é o elogio ao “cada um que se vire”

"Semana passada, o Itaú reduziu a perspectiva de crescimento do PIB brasileiro para 1,4%. Ontem, o Citibank fez o mesmo. Em quatro meses, cortou-se à metade a precisão do início do ano", diz o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço; "A resposta do governo à crise econômica é o elogio ao 'cada um que se vire'. O que funciona muito pouco em quase todos os setores e que, de nenhuma forma, funciona e matéria de política industrial"

Fernando Brito: resposta do governo à crise econômica é o elogio ao “cada um que se vire”
Fernando Brito: resposta do governo à crise econômica é o elogio ao “cada um que se vire” (Foto: Ricardo Moraes - Reuters)

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Semana passada, o Itaú reduziu a perspectiva de crescimento do PIB brasileiro para 1,4%. Ontem, o Citibank fez o mesmo.

Em quatro meses, cortou-se à metade a precisão do início do ano.

Hoje, o IBGE jogou uma pá de cal nas perspectivas de uma variação positiva do PIB do primeiro trimestre de 2019  sobre o trimestre anterior, ao anunciar uma queda de 1,3% na produção industrial de março, o dobro do que era esperado pelo mercado.

As instituições financeiras também vão revisar suas previsões: esperavam 2% de expansão na indústria e e, em um quarto do ano, o que têm é uma redução  da produção industrial de  0,7% no primeiro trimestre deste ano frente ao quarto do ano passado e  e um recuo de 2,2%, comparada aos primeiros três meses de 2018.

Hoje mesmo o Goldman Sachs disse que o número do IBGE nos coloca próximo de um “PIB negativo”.

É cedo ainda, acho, para dizer isso, mas certamente não é para dizer que este é o rumo que se está tomando.

Nossa situação só não é pior, neste campo, porque a desvalorização do câmbio têm sustentado alguns ramos da indústria que, de outra forma, estariam arruinados com as perdas de exportação para vizinhos como a Argentina.

Tudo isso ocorre e nem por um minuto o governo se afasta do seu “samba de duas notas”: reforma da previdência e intervenção – senão militar, ao menos belicista – na Venezuela.

Nenhuma das duas, claro, tem capacidade – muito ao contrário – de estimular produção e consumo.

A resposta do governo à crise econômica é o elogio ao “cada um que se vire”.

O que funciona muito pouco em quase todos os setores e que, de nenhuma forma, funciona e matéria de política industrial.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247