Fernando Brito sobre plano de Janot: Não existe paralelo no mundo civilizado

O jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, faz referência à entrevista de Rodrigo Janot na qual ele admite que foi ao STF armado com o plano de assassinar o ministro Gilmar Mendes. Uma insanidade, diz o jornalista. "Não existe paralelo a isso no mundo civilizado", acrescenta

(Foto: STF)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Com robôs e humanos quase mecânicos, os minions entraram em desespero nas redes sociais.

Transformaram o Twitter numa fogueira inquisitorial com a hashtag #StfVergonhaNacional.

É provável que haja novas convocações para manifestações, cada vez mais ralas, do fundamentalismo morista.

A insanidade chegou ao ponto de que Rodrigo Janot, no meio dos entreveros com Gilmar Mendes, revelou hoje que “chegou a ir armado para uma sessão do Supremo Tribunal Federal com a intenção de matar a tiros o ministro Gilmar Mendes.”

-Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele (Gilmar) e depois me suicidar, afirmou Janot.

Ele, recorde-se, era o procurador geral da República, o fiscal da lei, a ‘esperança do Brasil’ e o chefe da Lava jato….

Não existe paralelo a isso no mundo civilizado.

E não há melhor retrato da insânia de que esta gente foi tomada.

Hoje, a seita lavajatista perdeu o ímpeto.

A derrota sofrida hoje é infinitamente menor do que a que pode acontecer, adiante, quando se julgar a suspeição de Sérgio Moro.

Nenhum cuidado é pouco.

Trata-se de uma gente está mentalmente tomada pela ambição autoritária.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email