Fernando Morais diz que Temer traria coquetel explosivo

Jornalista e escritor ressalta que "a pedalada fiscal não é crime de responsabilidade" e avalia que se o golpe "triunfar", "teremos um coquetel explosivo: governo ilegítimo mais política econômica recessiva"; declaração foi feita em enquete com intelectuais realizada pela Folha

Jornalista e escritor ressalta que "a pedalada fiscal não é crime de responsabilidade" e avalia que se o golpe "triunfar", "teremos um coquetel explosivo: governo ilegítimo mais política econômica recessiva"; declaração foi feita em enquete com intelectuais realizada pela Folha
Jornalista e escritor ressalta que "a pedalada fiscal não é crime de responsabilidade" e avalia que se o golpe "triunfar", "teremos um coquetel explosivo: governo ilegítimo mais política econômica recessiva"; declaração foi feita em enquete com intelectuais realizada pela Folha (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista e escritor Fernando Morais voltou a defender que a presidente Dilma Rousseff não cometeu nenhum crime de responsabilidade e que, por isso, é contra o impeachment. A declaração foi feita em enquete com intelectuais realizada pela Folha de S. Paulo.

"A pedalada fiscal não é crime de responsabilidade", disse Morais. Em sua avaliação, se o golpe "triunfar", "teremos um coquetel explosivo: governo ilegítimo mais política econômica recessiva". Leia a íntegra de sua posição contra o golpe:

A presidente Dilma Rousseff não cometeu crime de responsabilidade. A pedalada fiscal não é crime de responsabilidade. Embora a Constituição admita a opção do impeachment, a Carta exige que se aplique apenas quando um crime desse tipo é cometido. Portanto sou contra. E é golpe. O Brasil só se fortalecerá se o golpe fracassar. Se triunfar, teremos um coquetel explosivo: governo ilegítimo mais política econômica recessiva.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247