Florestan: se o Brasil fosse um país sério, a eleição de 2018 seria cancelada

O jornalista Florestan Fernandes Jr., em entrevista à TV 247, afirmou que a eleição de 2018, que levou Bolsonaro ao Planalto após a prisão ilegal de Lula, deveria ser anulada por conta de interferências no processo eleitoral; "Está tudo muito ruim nessas história, tem vários furos, em um país sério, em uma democracia estável, forte, essa eleição tinha sido cancelada", criticou; assista

247 - O jornalista Florestan Fernandes Jr. falou à TV 247 sobre as interferências no processo eleitoral, muitas delas causadas pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que levou o presidente, Jair Bolsonaro, a ocupar a cadeira do Planalto. Para ele a eleição de 2018 deveria ser cancelada.

Florestan pontuou a aproximação ideológica de Bolsonaro e Moro, ex-juiz da Lava Jato, e a promessa, feita pelo presidente ao ministro, de uma cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF). "Ideologicamente está claro que eles são de direita, tanto o Dallagnol como o Moro, é um direito deles. A questão é que ele foi cada vez mais indo para a extrema direita, sendo jogados pelo acontecimentos. A impressão que dá é que no começo tudo estava armado para o Aécio ganhar a eleição e o país sair das mãos do PT e ir para as mãos do PSDB, mas isso acabou não ocorrendo. Nessa última eleição ele embicou na campanha do Bolsonaro e depois vem a informação, pelo próprio Bolsonaro, de que ele tinha prometido uma cadeira no Supremo para o moro antes de ganhar a eleição".

Para o jornalista, a eleição de 2018 deveria ser anulada pelas interferências que sofreu. "Está tudo muito ruim nessas história, tem vários furos, em um país sério, em uma democracia estável, forte, essa eleição tinha sido cancelada, teria sido suspensa, teria que ser realizada de novo dada a interferência que ocorreu em todo esse período de 2018".

Inscreva-se na TV 247 e assista à entrevista na íntegra:

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247