Folha: “discurso moralizador tucano não sobreviveu à Lava Jato”

Em editorial, a Folha afirma que o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) "busca se manter como o nome mais viável no campo da centro-direita", mas "tal condição se mostrava muito mais sólida em 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff"; "O discurso moralizador tucano, porém, não sobreviveu à Lava Jato"

A Comissão Especial sobre ICMS no Comércio Eletrônico (PEC 197/12) debate o assunto com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.
A Comissão Especial sobre ICMS no Comércio Eletrônico (PEC 197/12) debate o assunto com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em editorial publicado nesta quinta-feira (24), o jornal Folha de S. Paulo afirma que o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) "busca se manter como o nome mais viável no campo da centro-direita", mas, de acordo com o veículo, "tal condição se mostrava muito mais sólida em 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff (PT), quando patrocinou vitórias expressivas nas eleições municipais. O discurso moralizador tucano, porém, não sobreviveu à Lava Jato".

O veículo também ressaltar que "não são poucas as incertezas a rondar sua candidatura —a começar pelo tema inescapável da corrupção. Embora ainda em estágio inicial, há investigações que envolvem o próprio Alckmin". "Ao responder sobre a acusação do Grupo CCR de que teria recebido R$ 5 milhões em caixa dois em 2010, o pré-candidato tachou o relato de 'absurdo'", afirma.

"Procurou mostrar rigor ao falar de correligionários como o ex-governador mineiro Eduardo Azeredo, que nesta mesma quarta se entregou para o cumprimento da pena de 20 anos e um mês de prisão relacionado ao mensalão local. Ao tratar da perspectiva constrangedora de compartilhar palanque com Aécio Neves (MG), réu no Supremo Tribunal Federal, afirmou que o senador não disputará cargo", continua.

Segundo o jornal, o tucano "defendeu ainda o esclarecimento das suspeitas envolvendo Paulo Vieira de Souza, ex-auxiliar de governos estaduais do PSDB acusado de operar propinas. 'Não passamos a mão na cabeça de ninguém'. Essa retórica contrasta com a atuação pregressa do partido —que tratou com tibieza indesculpável os casos de Azeredo e, mais recentemente, de Aécio, seu candidato presidencial nas últimas eleições".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247