Folha questiona ação de Alckmin para abafar merendão

'Se o "governo é vítima" da máfia da merenda, conforme declarou Geraldo Alckmin na semana passada, seu partido deveria ser o maior interessado em esclarecer o episódio. Ao se valerem de manobras regimentais para adiar as investigações, os tucanos sugerem que as declarações do governador não passam de jogo de cena', diz o jornal de Otavio Frias, no editorial sobre o esquema de desvios da merenda escolar no governo tucano de SP

'Se o "governo é vítima" da máfia da merenda, conforme declarou Geraldo Alckmin na semana passada, seu partido deveria ser o maior interessado em esclarecer o episódio. Ao se valerem de manobras regimentais para adiar as investigações, os tucanos sugerem que as declarações do governador não passam de jogo de cena', diz o jornal de Otavio Frias, no editorial sobre o esquema de desvios da merenda escolar no governo tucano de SP
'Se o "governo é vítima" da máfia da merenda, conforme declarou Geraldo Alckmin na semana passada, seu partido deveria ser o maior interessado em esclarecer o episódio. Ao se valerem de manobras regimentais para adiar as investigações, os tucanos sugerem que as declarações do governador não passam de jogo de cena', diz o jornal de Otavio Frias, no editorial sobre o esquema de desvios da merenda escolar no governo tucano de SP (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A ‘Folha de S. Paulo’ questiona ação de Geraldo Alckmin (PSDB) para abafar o escândalo do merendão. 'Se o "governo é vítima" da máfia da merenda, conforme declarou Geraldo Alckmin na semana passada, seu partido deveria ser o maior interessado em esclarecer o episódio. Ao se valerem de manobras regimentais para adiar as investigações, os tucanos sugerem que as declarações do governador não passam de jogo de cena', diz.

Leia abaixo o editorial sobre o assunto:

Merenda fora da vista

A julgar pelas declarações públicas do governador Geraldo Alckmin (PSDB), o escândalo da máfia da merenda no Estado de São Paulo merece apuração rigorosa, célere e independente. Imagina-se que o tucano se refira não só às investigações judiciais mas também às frentes administrativas e políticas.

Nesse caso, ou bem os integrantes da Assembleia Legislativa (Alesp) dão de ombros para o governador, ou sabem que ele se esforçará pouco para ver suas palavras transformadas em realidade. É que a base de apoio de Alckmin tem feito o que pode para impedir que os deputados estaduais reforcem o combate à corrupção.

A Polícia Civil e o Ministério Público estadual até cumprem seu papel. Embora não com a mesma presteza dos órgãos federais que comandam a Operação Lava Jato, esquadrinham contratos celebrados entre a Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf) e dezenas de prefeituras, além da Secretaria da Educação do Estado.

Suspeita-se de um esquema de superfaturamento na distribuição de suco de laranja para a merenda da rede pública, garantido por propinas que oscilavam de 10% a 30% dos valores acertados.

Por meio de delações premiadas, alguns investigados implicaram membros do governo Alckmin, além de deputados federais e estaduais —entre eles, Fernando Capez (PSDB), presidente da Alesp.

Apesar disso —ou por causa disso—, a Assembleia Legislativa não demonstrou interesse em criar uma CPI. Como alternativa, a oposição, liderada pelo PT, tenta convocar suspeitos para prestar esclarecimentos em outras comissões. Apresentaram-se 15 requerimentos, mas nenhum foi apreciado.

A fim de evitar a análise das petições, os trabalhos têm sido esvaziados. Na Comissão de Educação, por exemplo, não houve quorum em quatro das seis sessões do ano. Nas outras duas, deputados do PSDB se revezaram nos pedidos de vista, evitando convocações.

Não se trata de atitude nova no âmbito parlamentar. Mas, se o "governo é vítima" da máfia da merenda, conforme declarou Geraldo Alckmin na semana passada, seu partido deveria ser o maior interessado em esclarecer o episódio.

Ao se valerem de manobras regimentais para adiar as investigações, os tucanos sugerem que as declarações do governador não passam de jogo de cena.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247