Gaspari: Bretas virou ícone dos penduricalhos da Justiça

"O juiz Marcelo Bretas resolveu passar de símbolo da faxina das roubalheiras do Rio de Janeiro a ícone dos penduricalhos do Judiciário. Contrariando uma resolução do Conselho Nacional de Justiça e respondendo a um questionamento da Ouvidoria da Justiça Federal, cobrou num tribunal o seu auxílio-moradia e o de sua mulher, também juíza", escreve o jornalista Elio Gaspari

Gaspari: Bretas virou ícone dos penduricalhos da Justiça
Gaspari: Bretas virou ícone dos penduricalhos da Justiça

247 - Em sua coluna nesta quarta, o jornalista Elio Gaspari diz que o juiz federal Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio, tornou-se o símbolo dos penduricalhos na Justiça. Bretas entrou com ação para garantir judicialmente auxílio-moradia em dobro, uma prática vedada pelo Conselho Nacional de Justiça.

Confira alguns trechos do texto:

"O juiz Marcelo Bretas resolveu passar de símbolo da faxina das roubalheiras do Rio de Janeiro a ícone dos penduricalhos do Judiciário. Contrariando uma resolução do Conselho Nacional de Justiça e respondendo a um questionamento da Ouvidoria da Justiça Federal, cobrou num tribunal o seu auxílio-moradia e o de sua mulher, também juíza.

Bretas sempre morou no Rio e o casal obteve um penduricalho de R$ 8.600 mensais. Num cálculo grosseiro, para pagar uma quantia dessas à Viúva, uma pequena empresa que pague impostos pelo regime de lucro presumido, precisa faturar R$ 5.000 por dia.

(...)

Pegar escondido ele não pega, mas se o doutor tem medo de castigo, não deve levar seu pleito ao balcão de uma lanchonete da rodoviária. Lá, trabalhadores que esperam pelo transporte teriam dificuldade para entender como juízes ou promotores, cujos salários iniciais estão em R$ 27.500 ou R$ 26.125, precisam de R$ 4.300 de auxílio moradia para trabalhar na cidade em que sempre viveram. No caso de Bretas ele deveria explicar como um casal precisa de mais R$ 4.300, morando na mesma casa.

Os penduricalhos transformaram-se numa ferida na cara do Judiciário, agravada pela má qualidade da argumentação dos doutores na defesa do mimo. Argumentam que outros servidores também recebem a prebenda. Dois erros nunca somaram um acerto."

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247