‘General Ramos nega golpe e ameaça com golpe’, diz Reinaldo Azevedo

O jornalista reforçou que “Ramos acena com a hipótese ultrajante do... ‘golpe’, só afastada caso, então, o TSE vote de acordo com a pretensão do governo” e relembra que, caso a chapa seja cassada, acontecerão as “consequências imprevisíveis” ditas pelo general Augusto Heleno. “É evidente que se trata de uma ameaça”, ressaltou

Jornalista Reinaldo Azevedo / General Luiz Eduardo Ramos
Jornalista Reinaldo Azevedo / General Luiz Eduardo Ramos (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Para o colunista do Uol Reinaldo Azevedo, “alguns militares brasileiros têm um estranho jeito de negar a possibilidade de um golpe de estado: primeiro simulam ofender-se até com a pergunta. Depois, bem... Rola um ‘É bom não abusar’”. O jornalista fez alusão à declaração do ministro general Luiz Eduardo Ramos, que em entrevista para a Veja, negou a possibilidade de golpe, mas completou com um aviso: “não estica a corda”.

Ramos, ao ser questionado sobre um possível golpe militar no País, disse:

“É ultrajante e ofensivo dizer que as Forças Armadas, em particular o Exército, vão dar golpe, que as Forças Armadas vão quebrar o regime democrático. O próprio presidente nunca pregou o golpe. Agora, o outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda”.

O general ainda falou contra o processo de cassação da chapa Jair Bolsonaro - Hamilton Mourão:

“Não é plausível achar que um julgamento casuístico pode tirar um presidente que foi eleito com 57 milhões de votos”, afirmou. “Acho que não vai acontecer, porque não é pertinente para o momento que estamos vivendo. O Rodrigo Maia (presidente da Câmara) já disse que não tem nenhuma idéia de pôr para votar os pedidos de impeachment contra Bolsonaro. Se o Congresso, que historicamente já fez dois impeachments, da Dilma e do Collor, não cogita essa possibilidade, é o TSE que vai julgar a chapa irregular? Não é uma hipótese plausível”, completou.

Reinaldo Azevedo reforçou então que “Ramos acena com a hipótese ultrajante do... ‘golpe’, só afastada caso, então, o TSE vote de acordo com a pretensão do governo” e relembra que, caso a chapa seja cassada, acontecerão as “consequências imprevisíveis” ditas pelo general Augusto Heleno. “É evidente que se trata de uma ameaça”, ressaltou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247