Globo desistiu do golpe, mas exige desculpas

Poucos dias depois de assumir a defesa da legalidade, ou seja, do mandato da presidente Dilma Rousseff em editorial, o grupo Globo fez um inusitado pedido: os Marinho exigem que Dilma faça um pedido público de desculpas ao País; tese surgiu neste domingo na capa do jornal O Globo, numa matéria construída apenas com fontes anônimas; hoje, o colunista Ricardo Noblat foi mais explícito: "Assuma seus erros, Dilma. Peça desculpas. E – quem sabe? – poderemos conversar"; será que a presidente irá se ajoelhar no milho diante da Globo?

Poucos dias depois de assumir a defesa da legalidade, ou seja, do mandato da presidente Dilma Rousseff em editorial, o grupo Globo fez um inusitado pedido: os Marinho exigem que Dilma faça um pedido público de desculpas ao País; tese surgiu neste domingo na capa do jornal O Globo, numa matéria construída apenas com fontes anônimas; hoje, o colunista Ricardo Noblat foi mais explícito: "Assuma seus erros, Dilma. Peça desculpas. E – quem sabe? – poderemos conversar"; será que a presidente irá se ajoelhar no milho diante da Globo?
Poucos dias depois de assumir a defesa da legalidade, ou seja, do mandato da presidente Dilma Rousseff em editorial, o grupo Globo fez um inusitado pedido: os Marinho exigem que Dilma faça um pedido público de desculpas ao País; tese surgiu neste domingo na capa do jornal O Globo, numa matéria construída apenas com fontes anônimas; hoje, o colunista Ricardo Noblat foi mais explícito: "Assuma seus erros, Dilma. Peça desculpas. E – quem sabe? – poderemos conversar"; será que a presidente irá se ajoelhar no milho diante da Globo? (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – "Assuma seus erros, Dilma. Peça desculpas. E – quem sabe? – poderemos conversar". A intimidação foi colocada, nesta terça-feira, pelo jornalista Ricardo Noblat, colunista do jornal O Globo.

No entanto, como a presidente Dilma Rousseff não tem qualquer necessidade de jogar conversa fora com Noblat, a mensagem parece ser um recado do grupo Globo, da família Marinho, ao Palácio do Planalto.

Como se sabe, na semana passada, a Globo desembarcou do projeto golpista. Assumiu, em editorial do jornal O Globo, a defesa da legalidade. Mais do que isso, João Roberto Marinho também afirmou que o sucessor da presidente Dilma será aquele que vier a ser eleito em 2018.

No entanto, logo depois, o Globo cobrou a fatura. No domingo, a manchete do Globo foi "PT avalia reconhecer erros éticos para estancar crise", numa matéria construída apenas com fontes anônimas, em off (leia mais aqui).

Como o mea-culpa não aconteceu, surgiu, agora, a ameaça colocada por Noblat. Se Dilma pedir desculpas, diz ele, "quem sabe poderemos conversar".

Leia, abaixo, o texto de Noblat:

Assuma seus erros, Dilma. Peça desculpas. E – quem sabe? – poderemos conversar

Ricardo Noblat

Tem tudo para fracassar a diplomacia de Dilma à base de discursos para plateias de admiradores país a fora e de jantares para políticos amestrados no Palácio da Alvorada.

Dilma prega para convertidos selecionados mediante a garantia de que a aplaudirão. E se comporta entre os políticos da maneira que eles mais detestam: como um superior que dá instruções.

Ontem pela manhã, no Maranhão, o governador Flávio Dino (PC do B) recepcionou Dilma com gritos de aliados contra o “golpe”. Não há nenhum golpe em curso no país, mas isso não importa.

O PT e o governo chamam de “golpe” qualquer ameaça de impeachment mesmo que amparada na Constituição. E assim se comportam como supostas vítimas de uma direita enfurecida.

À noite, no Alvorada, Dilma jantou com 43 senadores dos partidos que sustentam o governo no Congresso e 21 ministros. Uma boa parte dos senadores foi embora depois reclamando dela.

Dilma não dialogou com ninguém – logo ela que só tem falado em diálogo para que o país atravesse as crises que o atormentam. Todas elas, diga-se, produzidas por Dilma e a sua turma.

Limitou-se a fazer um discurso indigesto, porque pobre de ideias e carente de novidades. Dilma cobrou apoio de todos. E, em troca, com nada acenou.

O senador Paulo Paim (PT-RS) foi um dos senadores que consideram ter perdido o seu tempo para ouvir a presidente.

Dilma não aprendeu até hoje como proceder entre políticos. Se sabe como fazê-lo prefere não fazê-lo. E sequer consegue disfarçar a ojeriza que eles lhe causam.

Arrogante, resiste à proposta de assumir os erros que cometeu no seu primeiro mandato e de pedir desculpas por eles aos brasileiros.

Esse poderia ser o marco zero para o eventual reatamento de relações entre o distinto público e ela.

Ninguém a ajudará se ela não pedir ajuda. Se ela não se deixar ajudar. Se ele, principalmente, não fizer por onde ser ajudada.

Dilma fala como se tivesse o folgado apoio de uma maioria de governados. Quando, de fato, é rejeitada por 70% deles.

Presidente algum, nem mesmo o deposto Fernando Collor, foi mais rejeitado do que Dilma é.

Se ela não for capaz de compreender por que tantos querem vê-la pelas costas, jamais saberá como reconquistar o apoio deles.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email