Google, Facebook, Twitter e entidades dizem que PL das fake news 'ameaça a privacidade, liberdade e segurança de brasileiros'

As empresas alegam ainda que houve pouco tempo para a discussão do projeto, que impactaria fortemente no modo como a internet é usada no Brasil

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Empresas de tecnologia como Google, Facebook e Twitter, em conjunto com entidades civis, divulgaram nota nesta quinta-feira (25) contra o Projeto de Lei das fake news, que, segundo o texto da nota, "ameaça a privacidade, liberdade de expressão e segurança de milhões de brasileiros".

O projeto tem votação marcada para esta quinta no Senado Federal.

Assinam a nota, além das grandes empresas, estudiosos, advogados, associações nacionais do setor de tecnologia, o Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS Rio), a Human Rights Watch e a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES).

"Nesta nova versão do relatório, o PL 2630/2020 tornou-se um projeto de coleta massiva de dados das pessoas, pondo em risco a privacidade e segurança de milhões de cidadãos", afirma o texto.

As empresas alegam ainda que houve pouco tempo para a discussão do projeto, que impactaria fortemente no modo como a internet é usada no Brasil. "Sem tempo hábil para debate e amadurecimento, o texto pode resultar numa lei que instaure um novo marco regulatório de Internet baseado na identificação massiva e na vigilância e inviabilize o uso das redes sociais e de aplicativos de comunicação".

A nota pede que o projeto seja retirado da pauta e mais discutido.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247