Gritaria da Lava Jato mostra que decisão do STF “sangrou a veia da saúde”

Jornalista Fernando Brito destaca que é grande o alvoroço com a decisão da 2ª Turma do STF em retirar de Sérgio Moro o poder de investigar as "delações" da Odebrecht relativas a Lula e as transferiu para a Justiça Federal em São Paulo; "Merval Pereira, o que faz mal à saúde, adverte: 'Os processos estão com o juiz Sergio Moro e serão retomados com mais ênfase e os procuradores devem estar com uma atuação frenética para dar uma resposta a esta decisão'. Dá vontade de perguntar ao 12° ministro do STF onde foi que ele aprendeu que os processos judiciais regem-se por 'vingança'", diz Brito 

Jornalista Fernando Brito destaca que é grande o alvoroço com a decisão da 2ª Turma do STF em retirar de Sérgio Moro o poder de investigar as "delações" da Odebrecht relativas a Lula e as transferiu para a Justiça Federal em São Paulo; "Merval Pereira, o que faz mal à saúde, adverte: 'Os processos estão com o juiz Sergio Moro e serão retomados com mais ênfase e os procuradores devem estar com uma atuação frenética para dar uma resposta a esta decisão'. Dá vontade de perguntar ao 12° ministro do STF onde foi que ele aprendeu que os processos judiciais regem-se por 'vingança'", diz Brito 
Jornalista Fernando Brito destaca que é grande o alvoroço com a decisão da 2ª Turma do STF em retirar de Sérgio Moro o poder de investigar as "delações" da Odebrecht relativas a Lula e as transferiu para a Justiça Federal em São Paulo; "Merval Pereira, o que faz mal à saúde, adverte: 'Os processos estão com o juiz Sergio Moro e serão retomados com mais ênfase e os procuradores devem estar com uma atuação frenética para dar uma resposta a esta decisão'. Dá vontade de perguntar ao 12° ministro do STF onde foi que ele aprendeu que os processos judiciais regem-se por 'vingança'", diz Brito  (Foto: Aquiles Lins)

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Como se previu ontem, é grande o alvoroço com a decisão da 2ª Turma do STF em retirar de Sérgio Moro o poder de investigar as "delações" da Odebrecht relativas a Lula e as transferiu para a Justiça Federal em São Paulo.

Miriam Leitão diz que os procuradores da Força Tarefa "não tiraram" os processos de Sérgio Moro. o que equivale a dizer que, embora não sejam relativos à Petrobras os inquéritos são dele. Claro, qualquer coisa que se refira a Lula, até multa de trânsito, compete a Moro julgar, segundo suas "convicções".

"a força-tarefa vai protocolar manifestações nas duas ações penais que correm na 13ª Vara Federal, informando que entende que o STF não discutiu a competência ao retirar a delação da Odebrecht de Curitiba".

Merval Pereira, o que faz mal à saúde, adverte: "Os processos estão com o juiz Sergio Moro e serão retomados com mais ênfase e os procuradores devem estar com uma atuação frenética para dar uma resposta a esta decisão."

Dá vontade de perguntar ao 12° ministro do STF onde foi que ele aprendeu que os processos judiciais regem-se por "vingança".

O que está de fato em questão – e por isso deixa a lava Jato em polvorosa – é a jurisdição universal de Sérgio Moro sobre Lula.

Recorde-se que o caso do triplex, que sustenta a prisão do ex-presidente, foi iniciado pelo Ministério Público de São Paulo na Justiça daquele estado e, por decisão de uma juíza de primeira instância, remetido a Curitiba em separado dos demais envolvidos nas investigações sobre a Cooperativa dos Bancários, que permaneceram sob juízes paulistas e foram, em 1ª e 2ª instância, todos absolvidos.

Lula foi a exceção.

E foi porque foi a um juízo de exceção, o de Sérgio Moro e da matilha de procuradores da Força Tarefa.

A reação traz, implícito, um entendimento: só Moro seria capaz de condenar Lula com a pobreza de provas que foram apresentados.

Se é assim, só Moro podia julgar Lula, porque só ele poderia prendê-lo e tirá-lo da disputa presidencial.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247