Impeachment fez o PT crescer, diz cientista político

O cientista político Alberto Carlos Almeida demonstra com dados estatísticos do Manchetômetro que a mídia negativa sofrida por Lula não desencadeou maiores consequências no eleitorado; pelo contrário, a mídia negativa pode ter tido impacto positivo na popularidade do ex-presidente, ao contrário de anos anteriores; para Almeida, o crescimento do PT e de Lula se deu também devido à saída do Planalto, momento exato onde a curva de aprovação e aderência ao partido toma seu sentido ascendente

Impeachment fez o PT crescer, diz cientista político
Impeachment fez o PT crescer, diz cientista político

247 - O cientista político Alberto Carlos Almeida demonstra com dados estatísticos do Manchetômetro que a mídia negativa sofrida por Lula não desencadeou maiores consequências no eleitorado. Pelo contrário, a mídia negativa pode ter tido impacto positivo na popularidade do ex-presidente, ao contrário de anos anteriores. Para Almeida, o crescimento do PT e de Lula se deu também devido à saída do Planalto, momento exato onde a curva de aprovação e aderência ao partido toma seu sentido ascendente. 

Leia trechos do artigo de Alberto Carlos Almeida para o site Poder 360

Um dos temas mais debatidos no Brasil tem sido o efeito da mídia na política. Refiro-me não às mídias sociais, mas sim à mídia impressa e televisiva dominante. Uma das informações mais chocantes dos últimos 3 anos, diz respeito à incapacidade da cobertura de mídia negativa acerca de Lula e do PT piorarem a rejeição do líder maior do partido. Os dados abaixo mostram na escala vertical direita a rejeição a Lula (linha vermelha) e Alckmin (linha azul escura): são aqueles que não votariam neles de jeito nenhum. Na escala vertical da esquerda há o total de matérias negativas mensuradas pelo Manchetômetro na Folha de S. PauloEstadão, jornal O Globo e Jornal Nacional.

A linha laranja mostra as matérias negativas sobre Lula e o PT e a azul clara sobre Alckmin e o PSDB. As informações sobre as notícias estão sistematizadas por trimestre, ao passo que as pesquisas têm os meses especificados no eixo horizontal. Nota-se que o ponto mais alto do noticiário negativo foi no período do impeachment, entre o primeiro e o segundo trimestre de 2016. Havia uma onda crescente contra o PT e o governo Dilma. Foi ali que a rejeição de Lula atingiu seu máximo, quando 57% do eleitorado afirmou que não votaria nele de jeito nenhum. Naquele momento somente 19% disseram que não votariam em Alckmin, tratava-se de um patamar bastante abaixo do 1/3 do eleitorado que tradicionalmente vota no candidato a presidente do PT.

 

 

Conheça a TV 247

Mais de Mídia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247