‘Ira’, ‘medo’ e ‘fúria’ marcam eleições mundo afora, diz jornalista

O jornalista Bruno Boghossian entende que há um desencanto global pela política e que as emoções estão à flor da pele não só no Brasil; Boghossian elenca ‘ira’, ‘medo’ e ‘fúria’ como os sentimentos políticos que acometem os derrotados no México

‘Ira’, ‘medo’ e ‘fúria’ marcam eleições mundo afora, diz jornalista
‘Ira’, ‘medo’ e ‘fúria’ marcam eleições mundo afora, diz jornalista (Foto: REUTERS/Goran Tomasevic)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jornalista Bruno Boghossian entende que há um desencanto global pela política e que as emoções estão à flor da pele não só no Brasil. Boghosian elenca ‘ira’, ‘medo’ e ‘fúria’ como os sentimentos políticos que abrem um século 21 de muitas incertezas.

“Em 2006, Felipe Calderón se tornou presidente do México ao provocar medo nos eleitores. O publicitário Antonio Sola criou uma campanha que dizia que o esquerdista Andrés Manuel López Obrador era perigoso e levaria o país à ruína. Calderón venceu por 233 mil votos, sob acusações de fraude nas urnas.

O antigo marqueteiro de Calderón passou os últimos cinco meses anunciando que, em 2018, López Obrador seria eleito. “Agora, a emoção predominante é a ira. E a ira é muito mais forte do que o medo”, declarou Sola ao jornal The New York Times. A onda mundial de desencanto com a política mexeu com os sentimentos do eleitorado. Em muitos países, a fúria contra o sistema superou o receio de apostar em propostas que poderiam parecer arriscadas em tempos de serenidade."

Leia mais aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247