Jair deu o sinal e bolsonaristas partem para o ataque ao STF

Decisões no STF "mostraram que já se formou uma maioria lá para tentar conter os arreganhos do governo e nisso se incluem os de Sérgio Moro", escreve o jornalista Fernando Brito, do Tijolaço. "Os ministros perceberam que o fio virou e é hora de retomarem ao menos em parte o espaço que entregaram ao estado policial"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço - Jair Bolsonaro deu sua clarinada, ontem, na sua “live” semanal: “a Justiça se mete em tudo” e está em cima dele, impedindo-o de governar.

A matilha bolsonarista entendeu e atendeu e agora de manhã a hashtag “STFVergonhaNacional” domina o Twitter.

Nem é preciso dizer em que termos se referem ao tribunal e a seus integrantes. Basta dizer que a história do “um cabo e um soldado” para fechá-lo, como dito por nosso futuro embaixador nos EUA, é mais doce que a maioria das mensagens.

Até agora ainda não surgiu a ideia de convocar outra “domingueira fascista”, mas é provável que não resistam a isso, ainda que com o risco de serem ainda menos expressivas as manifestações.

Agora, porém, funciona ao contrário.

As decisões de ontem no STF mostraram que já se formou uma maioria lá para tentar conter os arreganhos do governo e nisso se incluem os de Sérgio Moro.

É possível que a portaria de Moro sobre a deportação sumária de estrangeiros seja o próximo alvo do Supremo, onde está, há dez dias, uma ação propondo sua suspensão.

Os ministros perceberam que o fio virou e é hora de retomarem ao menos em parte o espaço que entregaram ao estado policial.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247