Janio de Freitas: 'o impeachment foi uma construção gigantesca'

O jornalista Janio de Freitas afirma que: "o impeachment foi uma construção gigantesca, política e institucional. Até a direita diz que ainda estamos pagando o preço do impeachment. Não seria cabível que uma malandragem contábil gerasse aquilo tudo. O tiro de meta pode e deve ter sido brasileiro. Mas não tenho dúvida de que houve –e há–, nos nossos dias ainda, uma presença americana na orientação"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Janio de Freitas afirma que: "o impeachment foi uma construção gigantesca, política e institucional. Até a direita diz que ainda estamos pagando o preço do impeachment. Não seria cabível que uma malandragem contábil gerasse aquilo tudo. O tiro de meta pode e deve ter sido brasileiro. Mas não tenho dúvida de que houve –e há–, nos nossos dias ainda, uma presença americana na orientação"

Em entrevista ao site Tutameia, o jornalista fala de vários temas da política brasileira e diz: "é o país que está em jogo, não é um detalhe de uma contabilidade governamental. É a vida do país que está em jogo! É o futuro do país que está sendo jogado aos tubarões diante do mundo inteiro. Estamos sendo escrachados pelo mundo inteiro. Ver os jornais estrangeiros hoje é uma coisa vergonhosa, é muito triste. Eu fico muito triste. Eu fico pensando nos meus filhos. No meu filho, agora só tenho um filho, nos meus netos, nos filhos deles. Que diabo de país será este!”.

Janio de Freitas ainda acrescenta: "a rigor, a minha vontade é dizer a eles: ‘Saiam do Brasil, vão embora’. Quatro deles têm dupla nacionalidade. ‘Vão para a Europa, vão embora!’. Eu não posso dizer isso. Não seria direito dizer isso a eles porque eu não sei que destino eles terão no exterior. Não posso assumir esse risco que eles é que viverão. Não posso fazer isso. Mas o meu desejo seria esse”.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247