Jornalistas do Grupo Globo aceitam negociar redução em 25% de salário e jornada

Jornalistas do Grupo Globo e do Globo Condé Nast decidiram, após assembleia com os sindicatos dos jornalistas de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal, iniciar negociação com a empresa para redução do salário e da jornada

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em assembleis, os jornalistas do Grupo Globo e do Globo Condé Nast aceitaram negociar a redução em 25% do salário e da jornada de trabalho propostos pelas empresas.

Jornalistas das empresas recorreram ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal para entrar na negociação, já que as empresas fizeram uma proposta informal de forma oral pela redução.

A assembleia foi realizada nesta quarta-feira (22) por videoconferência com a participação de cerca de 100 jornalistas.

Na reunião, os profissionais afirmaram rejeitar que sejam feitos acordos individuais. Entendem que apenas o acordo coletivo “é capaz de fornecer segurança aos funcionários em tempos de incertezas”.

“Destacamos que, nesta situação de pandemia, o jornalismo é considerado oficialmente uma “atividade essencial”, e está sendo mantido à custa de grande esforço e de jornadas extensas por parte dos jornalistas, além do que parte de nossos colegas, para desenvolver seu trabalho, se expõe a risco de contágio. Por tudo isso, entendemos que a redução de 25% dos salários é extremamente custosa para a categoria. Não concordamos, em princípio, com a redução salarial, mas, tendo em vista o momento excepcional que enfrentamos, resolvemos considerar essa possibilidade, desde que haja contrapartidas”, dizem o sindicatos representando os profissionais.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247