Judeus progressistas repudiam acenos de Jair Bolsonaro a Israel

Franco-atirador no que diz respeito à política internacional, Jair Bolsonaro fez acenos ao eleitorado judaico elogiando a política de Israel, mas setores progressistas da comunidade judaica repudiaram o gesto do ex-militar; mesmo com o apoio dos empresários Meyer Nigri e Fábio Wajngarten, Bolsonaro foi alvo de um protesto da comunidade judaica no Largo da Batata, que se juntou ao movimento #EleNão; um dos gritos de repúdio ao candidato fascista era: 'Ô, Bolsonaro, vai se foder, eu sou judeu e não gosto de você'

Judeus progressistas repudiam acenos de Jair Bolsonaro a Israel
Judeus progressistas repudiam acenos de Jair Bolsonaro a Israel (Foto: Túlio Ribeiro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Franco-atirador no que diz respeito à política internacional, Jair Bolsonaro fez acenos ao eleitorado judaico elogiando a política de Israel, mas setores progressistas da comunidade judaica repudiaram o gesto do ex-militar. Mesmo com o apoio dos empresários Meyer Nigri e Fábio Wajngarten, Bolsonaro foi alvo de um protesto da comunidade judaica no Largo da Batata, que se juntou ao movimento #EleNão. Um dos gritos de repúdio ao candidato fascista era: 'Ô, Bolsonaro, vai se foder, eu sou judeu e não gosto de você'.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo reitera a explicação: "os acenos de Jair Bolsonaro (PSL) a Israel atraíram parte do eleitorado judaico brasileiro, mas provocam reação contrária em setores progressistas da comunidade. À medida que o capitão reformado conquistou apoios como o dos empresários Meyer Nigri e Fabio Wajngarten, movimentos contrários tomaram corpo. No último sábado (29), um grupo com mais de 50 judeus se juntou ao protesto no Largo da Batata, em São Paulo, com o mote #EleNão".

Segundo a reportagem, os manifestantes "portavam faixas com símbolos judaicos como a Estrela de David, lançavam dizeres alusivos ao ato e entoavam gritos de guerra como 'Ô, Bolsonaro, vai se foder, eu sou judeu e não gosto de você'. A estudante Amanda Hatzyrah, 25, articuladora da frente feminista judaica, disse que estavam lá para marcar posição. 'Existe uma pecha de que a comunidade judaica apoia Bolsonaro, mas isso é uma falácia completa. A gente veio para fazer barulho e mostrar que não", protestou. "Lutamos contra tudo o que ele representa'."

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247