Kennedy: Cármen Lúcia adota caminho mais difícil para defesa de Lula

Segundo o jornalista Kennedy Alencar, depois de ser pressionada, a presidente do STF optou por julgar o caso concreto de Lula, ao invés da prisão após condenação em segunda instância, o que fulaniza a questão e deixa acuados ministros do STF mais sujeitos aos holofotes; "Alguns entenderam que se tratou de uma decisão para negar o pedido da defesa de Lula ou, no mínimo, vender caro perante um setor da opinião pública uma eventual derrota da posição defendida por ela. Deveremos ter hoje mais um dia de tensão no STF", afirma

Segundo o jornalista Kennedy Alencar, depois de ser pressionada, a presidente do STF optou por julgar o caso concreto de Lula, ao invés da prisão após condenação em segunda instância, o que fulaniza a questão e deixa acuados ministros do STF mais sujeitos aos holofotes; "Alguns entenderam que se tratou de uma decisão para negar o pedido da defesa de Lula ou, no mínimo, vender caro perante um setor da opinião pública uma eventual derrota da posição defendida por ela. Deveremos ter hoje mais um dia de tensão no STF", afirma
Segundo o jornalista Kennedy Alencar, depois de ser pressionada, a presidente do STF optou por julgar o caso concreto de Lula, ao invés da prisão após condenação em segunda instância, o que fulaniza a questão e deixa acuados ministros do STF mais sujeitos aos holofotes; "Alguns entenderam que se tratou de uma decisão para negar o pedido da defesa de Lula ou, no mínimo, vender caro perante um setor da opinião pública uma eventual derrota da posição defendida por ela. Deveremos ter hoje mais um dia de tensão no STF", afirma (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Kennedy Alencar afirma nesta quinta-feira, 22, que a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, adotou uma estratégia que torna mais difícil uma vitória da defesa do ex-presidente Lula, ao marcar o julgamento do habeas corpus apresentado pela defesa do ex-presidente contra a possibilidade de prisão do petista.

"Pelo que os ministros disseram nos últimos meses, em tese, haveria uma maioria estreita, de 6 a 5, para aceitar o pedido da defesa a fim de que Lula não seja preso. Mas o debate do caso concreto de Lula torna mais difícil um resultado favorável ao petista do que se houvesse a discussão da tese, o que aconteceria se fossem analisadas as duas ações de repercussão geral que questionam a aplicação da pena de prisão após condenação em segunda instância", diz Kennedy. 

Segundo Kennedy, depois de ser pressionada, a presidente do STF optou por julgar o caso concreto de Lula, o que fulaniza a questão e deixa acuados ministros do STF mais sujeitos aos holofotes.

"Quando negou o habeas corpus apresentado pela defesa de Lula, o ministro Edson Fachin remeteu o caso para análise em plenário e usou como argumento que havia duas ações de repercussão geral relatadas pelo ministro Marco Aurélio Mello que tinham a ver com o recurso da defesa do ex-presidente", diz ele. 

"Para pacificar de vez a questão, o Supremo deveria julgar essas duas ações, avaliam colegas que ficaram contrariados com a atitude de Cármen Lúcia. Alguns entenderam que se tratou de uma decisão para negar o pedido da defesa de Lula ou, no mínimo, vender caro perante um setor da opinião pública uma eventual derrota da posição defendida por ela. Deveremos ter hoje mais um dia de tensão no STF", afirma. 

Leia o texto na íntegra no Blog do Kennedy.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247