Kennedy: Moro abusa do poder e não tem preparo para ser ministro da Justiça

O jornalista Kennedy Alencar classifica como "barbárie" o assassinato de Ágatha e afirma que "as propostas de Moro sobre segurança pública são equivocadas e revelam despreparo para lidar com o tema. A Vaza Jato já deu exemplos de como Moro abusou do poder quando juiz. Ele não está preparado para exercer um cargo de tamanho poder como o de ministro da Justiça"

(Foto: 247 | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Kennedy Alencar, em sua coluna no portal IG, classifica como "barbárie" o assassinato de Ágatha e afirma que "as propostas de Moro sobre segurança pública são equivocadas e revelam despreparo para lidar com o tema. A Vaza Jato já deu exemplos de como Moro abusou do poder quando juiz. Ele não está preparado para exercer um cargo de tamanho poder como o de ministro da Justiça. Tem visão autoritária sobre a relação com o Congresso e o jornalismo." 

"Moro só se manifestou sobre o caso de Ágatha após ser cobrado e usou o episódio para defender a sua tese de ampliar as hipóteses excludentes de ilicitude. Fez pura política. Deveria se preocupar com a solução do caso e com a forma como Witzel conduz a polícia fluminense."

"Criticado pela maioria dos especialistas em segurança pública e da comunidade jurídica, o pacote anticrime de Moro aumentará a lotação dos presídios e fornecerá mais “soldados” para o crime organizado dentro e fora das prisões. Elevar a população carcerária é apressar a explosão de uma bomba-relógio."

"O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acertou ao criticar e pedir cuidado aos deputados ao analisar a ampliação de excludentes de ilicitude pedida por Moro ao Congresso. Ela é, sim, uma licença para matar, por mais que o ministro negue tal efeito. Essa proposta não pode ser aprovada pelo Congresso."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247