Kennedy: STF não mandou soltar Picciani

O jornalista Kennedy Alencar afirmou nesta segunda-feira, 20, que a conta política pela libertação do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani (PMDB), e outros dois deputados não pode ser do STF; "No Rio, foram os partidos políticos, com o PMDB à frente, que decidiram tirar os três deputados da cadeia. Aliás, peemedebistas e tucanos têm demonstrado uma capacidade de resistência à Lava Jato superior à dos petistas. No caso Picciani, a classe política precisa ser responsabilizada", afirma 

O jornalista Kennedy Alencar afirmou nesta segunda-feira, 20, que a conta política pela libertação do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani (PMDB), e outros dois deputados não pode ser do STF; "No Rio, foram os partidos políticos, com o PMDB à frente, que decidiram tirar os três deputados da cadeia. Aliás, peemedebistas e tucanos têm demonstrado uma capacidade de resistência à Lava Jato superior à dos petistas. No caso Picciani, a classe política precisa ser responsabilizada", afirma 
O jornalista Kennedy Alencar afirmou nesta segunda-feira, 20, que a conta política pela libertação do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani (PMDB), e outros dois deputados não pode ser do STF; "No Rio, foram os partidos políticos, com o PMDB à frente, que decidiram tirar os três deputados da cadeia. Aliás, peemedebistas e tucanos têm demonstrado uma capacidade de resistência à Lava Jato superior à dos petistas. No caso Picciani, a classe política precisa ser responsabilizada", afirma  (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Kennedy Alencar afirmou nesta segunda-feira, 20, que a conta política pela libertação do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani (PMDB), e outros dois deputados não pode ser do Supremo Tribunal Federal (STF). 

"O Supremo Tribunal Federal está pagando uma conta que não é dele, mas da classe política como um todo. O Supremo não é imune a críticas, mas não mandou o Senado preservar o mandato de Aécio Neves nem soltar os deputados estaduais do Rio Jorge Picciani, Paulo Mello e Edson Albertassi", diz Kennedy.

Ele lembrou que o mesmo Senado que decidiu manter a prisão de Delcídio do Amaral em 2015 preservou as funções parlamentares de Aécio neste ano. O PSDB que votou contra Delcídio deu apoio ao tucano e o manteve na presidência formal da legenda.

"No Rio, foram os partidos políticos, com o PMDB à frente, que decidiram tirar os três deputados da cadeia. Aliás, peemedebistas e tucanos têm demonstrado uma capacidade de resistência à Lava Jato superior à dos petistas. No caso Picciani, a classe política precisa ser responsabilizada", afirma. 

"O Supremo pode ser criticado por sua divisão, por uma decisão manca em relação a Aécio, por demorar a julgar os processos. As pessoas podem não gostar de Aécio, de Picciani e cia., mas a lei deve valer para todos", diz. 

Leia o texto na íntegra no Blog do Kennedy.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247