Kotscho: leilão de deputados tornará cenário ainda mais nebuloso

O jornalista Ricardo Kotscho avaliou nesta segunda-feira, 12, que com a proibição do financiamento privado de campanhas, a eleição deste ano custar sair caro para os combalidos cofres públicos; ele lembra que o leilão de deputados começou no último dia 8 com a abertura da janela do troca-troca partidário, que vai até 7 de abril; "É assim que o Brasil se prepara para a eleição mais importante, atípica e imprevisível desde a redemocratização do país. Tem tudo para dar muita confusão e tornar ainda mais nebuloso o cenário para 2019, qualquer que seja o resultado. Quem dá mais?"

O jornalista Ricardo Kotscho avaliou nesta segunda-feira, 12, que com a proibição do financiamento privado de campanhas, a eleição deste ano custar sair caro para os combalidos cofres públicos; ele lembra que o leilão de deputados começou no último dia 8 com a abertura da janela do troca-troca partidário, que vai até 7 de abril; "É assim que o Brasil se prepara para a eleição mais importante, atípica e imprevisível desde a redemocratização do país. Tem tudo para dar muita confusão e tornar ainda mais nebuloso o cenário para 2019, qualquer que seja o resultado. Quem dá mais?"
O jornalista Ricardo Kotscho avaliou nesta segunda-feira, 12, que com a proibição do financiamento privado de campanhas, a eleição deste ano custar sair caro para os combalidos cofres públicos; ele lembra que o leilão de deputados começou no último dia 8 com a abertura da janela do troca-troca partidário, que vai até 7 de abril; "É assim que o Brasil se prepara para a eleição mais importante, atípica e imprevisível desde a redemocratização do país. Tem tudo para dar muita confusão e tornar ainda mais nebuloso o cenário para 2019, qualquer que seja o resultado. Quem dá mais?" (Foto: Aquiles Lins)

247 - O jornalista Ricardo Kotscho avaliou nesta segunda-feira, 12, que com a proibição do financiamento privado de campanhas, a eleição deste ano custar sair caro para os combalidos cofres públicos. 

"De um lado, os partidos estão oferecendo de R$ 1,5 milhão a R$ 2 milhões para as campanhas dos deputados com a divisão do butim de R$ 2,6 bilhões de financiamento público aprovado na última reforma política. De outro, o presidente Michel Temer acena com a liberação de cerca de R$ 15 milhões em emendas parlamentares para cada deputado investir em seus redutos eleitorais", afirma Kotscho. 

"A conta é simples: como são 531 deputados, e a grande maioria disputa a reeleição, o total a ser repartido pelo governo alcançará R$ 6,4 bilhões, o que dará larga vantagem a Temer no leilão das alianças eleitorais, sem falar na reforma ministerial em jogo", acrescenta. 

Kotscho lembra que o leilão de deputados começou no último dia 8 com a abertura da janela do troca-troca partidário, que vai até 7 de abril. "É tudo por dinheiro: eleger bancadas numerosas garantirá aos partidos maior participação no financiamento público nas eleições seguintes", afirma. 

"É assim que o Brasil se prepara para a eleição mais importante, atípica e imprevisível desde a redemocratização do país. Tem tudo para dar muita confusão e tornar ainda mais nebuloso o cenário para 2019, qualquer que seja o resultado. Quem dá mais?", acrescenta. 

Leia o texto na íntegra no Balaio do Kotscho

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247