Kotscho: Marielle morreu, mas a desembargadora Marília segue viva e solta

"'O que será que essa professora ensina a quem???? Esperem um momento que fui ali me matar e já volto, tá?'", escreve o jornalista Ricardo Kotscho; "Quem escreveu esta barbaridade e publicou nas redes sociais foi a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, referindo-se a Débora Seabra, a primeira professora Down do Brasil que há mais de dez anos ensina crianças de uma escola de Natal"; Kotscho diz que, se a desembargadora for punida, "a pena máxima que receberá é ser aposentada mais cedo"

"'O que será que essa professora ensina a quem???? Esperem um momento que fui ali me matar e já volto, tá?'", escreve o jornalista Ricardo Kotscho; "Quem escreveu esta barbaridade e publicou nas redes sociais foi a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, referindo-se a Débora Seabra, a primeira professora Down do Brasil que há mais de dez anos ensina crianças de uma escola de Natal"; Kotscho diz que, se a desembargadora for punida, "a pena máxima que receberá é ser aposentada mais cedo"
"'O que será que essa professora ensina a quem???? Esperem um momento que fui ali me matar e já volto, tá?'", escreve o jornalista Ricardo Kotscho; "Quem escreveu esta barbaridade e publicou nas redes sociais foi a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, referindo-se a Débora Seabra, a primeira professora Down do Brasil que há mais de dez anos ensina crianças de uma escola de Natal"; Kotscho diz que, se a desembargadora for punida, "a pena máxima que receberá é ser aposentada mais cedo" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "'O que será que essa professora ensina a quem???? Esperem um momento que fui ali me matar e já volto, tá?'", escreve o jornalista Ricardo Kotscho. "Quem escreveu esta barbaridade e publicou nas redes sociais foi a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, referindo-se a Débora Seabra, a primeira professora Down do Brasil que há mais de dez anos ensina crianças de uma escola de Natal".

Segundo o blogueiro, "a desembargadora não se matou e não voltou. Sumiu de cena sem negar a autoria deste crime contra a dignidade humana de uma professora especial". "É a mesma autoridade judiciária que atacou a memória da vereadora Marielle Franco, executada na semana passada no mesmo Rio de Janeiro em que a doutora Castro Neves continua julgando impunemente os seus semelhantes", acrescenta.

"A excelentíssima senhora doutora Marília Castro Neves continua,até o momento, bem viva, leve e solta, com seu poder de julgar os outros no TJ do Rio de Janeiro", diz Kotscho continua, dizendo que, se a desembargadora for punida, "a pena máxima que receberá é ser aposentada mais cedo, com o salário vitalício de mais de R$ 30 mil por mês pago por nós".

Leia a íntegra no Balaio do kotscho

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247