Kotscho: 'nem as moscas mudam no pós-Dilma'

Jornalista Ricardo Kotscho classificou nesta terça-feira, 26, como "mais do mesmo" o perfil do governo Michel Temer, caso o Senado aprove o afastamento da presidente Dilma Rousseff; "Na montagem do novo ministério, até agora, encontramos a mesma sopa de letrinhas da "base aliada" que serviu aos governos FHC, depois a Lula e Dilma: PMDB, PP, PSD, PTB, PSB, DEM, PPS... Afinal, é o que temos. Nem as moscas mudam", afirmou; entre os cotado para o primeiro escalão do governo Temer estão os peemedebistas Romero Jucá, Moreira Franco e Eliseu Padilha; "Esta guerra política, que começou na campanha eleitoral de 2014, não tem data para acabar. Parece o carnaval baiano", afirma

Jornalista Ricardo Kotscho classificou nesta terça-feira, 26, como "mais do mesmo" o perfil do governo Michel Temer, caso o Senado aprove o afastamento da presidente Dilma Rousseff; "Na montagem do novo ministério, até agora, encontramos a mesma sopa de letrinhas da "base aliada" que serviu aos governos FHC, depois a Lula e Dilma: PMDB, PP, PSD, PTB, PSB, DEM, PPS... Afinal, é o que temos. Nem as moscas mudam", afirmou; entre os cotado para o primeiro escalão do governo Temer estão os peemedebistas Romero Jucá, Moreira Franco e Eliseu Padilha; "Esta guerra política, que começou na campanha eleitoral de 2014, não tem data para acabar. Parece o carnaval baiano", afirma
Jornalista Ricardo Kotscho classificou nesta terça-feira, 26, como "mais do mesmo" o perfil do governo Michel Temer, caso o Senado aprove o afastamento da presidente Dilma Rousseff; "Na montagem do novo ministério, até agora, encontramos a mesma sopa de letrinhas da "base aliada" que serviu aos governos FHC, depois a Lula e Dilma: PMDB, PP, PSD, PTB, PSB, DEM, PPS... Afinal, é o que temos. Nem as moscas mudam", afirmou; entre os cotado para o primeiro escalão do governo Temer estão os peemedebistas Romero Jucá, Moreira Franco e Eliseu Padilha; "Esta guerra política, que começou na campanha eleitoral de 2014, não tem data para acabar. Parece o carnaval baiano", afirma (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jornalista Ricardo Kotscho classificou nesta terça-feira, 26, como "mais do mesmo" o perfil do governo Michel Temer, caso o Senado aprove o afastamento da presidente Dilma Rousseff. 

"Na montagem do novo ministério, até agora, encontramos a mesma sopa de letrinhas da "base aliada" que serviu aos governos FHC, depois a Lula e Dilma: PMDB, PP, PSD, PTB, PSB, DEM, PPS... Afinal, é o que temos. Nem as moscas mudam", afirmou. "Vejam os nomes: Romero Jucá, que foi líder dos governos do PSDB e do PT e é o principal articulador político de Temer; Henrique Eduardo Alves, até outro dia ministro de Turismo de Dilma, que deve voltar para o mesmo posto, e Eliseu Padilha e Moreira Franco, que foram ministros da Aviação Civil; Ricardo Barros, do PP, que chegou a ser convidado para assumir a Saúde antes da votação do impeachment e votou com a oposição. E por aí vai", acrescenta.

Kotscho conta também que o PSDB, dividido entre a ocupação ou não de cargos, cogita o nome do presidenciável José Serra tanto para a Fazenda (se Meirellles não aceitar) como para o ministério da Educação.

"Na reta oposta, já se preparando para comandar a oposição, o ex-presidente Lula usou palavras duras em discurso durante encontro da Aliança Progressista, em São Paulo, que reuniu 20 partidos de 17 países nesta segunda-feira: 'Aqui no Brasil vai ter muita luta. Esperem que viveremos momentos de combate democrático. Houve um pelotão de fuzilamento comandado pelo que há de mais repugnante no universo da política'", lembra o jornalista.

"Na última pesquisa Ibope, 62% dos eleitores declararam que querem novas eleições presidenciais este ano. Como vemos, esta guerra política, que começou na campanha eleitoral de 2014, não tem data para acabar. Parece o carnaval baiano."

Leia na íntegra o post de Ricardo Kotscho.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email