Kotscho: “São mais 500 mil sem trabalho, e ninguém faz nada”

Jornalista se revolta com "números alarmantes" do desemprego divulgados hoje pelo IBGE: "Até o momento em que começo a escrever, às dez da manhã, não houve nenhuma manifestação de líderes de partidos do governo ou da oposição, de sindicatos de trabalhadores ou patronais, dos movimentos sociais ou da sociedade civil"; "Até quando vamos todos ficar de braços cruzados, assistindo a este desmanche do mercado de trabalho, enquanto grandes empresas anunciam seus lucros no mesmo período?", questiona Ricardo Kotscho

Kotscho: “São mais 500 mil sem trabalho, e ninguém faz nada”
Kotscho: “São mais 500 mil sem trabalho, e ninguém faz nada”
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jornalista Ricardo Kotscho revoltou-se hoje com a falta de reação diante dos "números alarmantes" do desemprego divulgados pelo IBGE: no segundo trimestre deste ano, mais 497 mil brasileiros ficaram sem trabalho, batendo o recorde de 11,6 milhões de desempregados.

"Até o momento em que começo a escrever, às dez da manhã, não houve nenhuma manifestação de líderes de partidos do governo ou da oposição, de sindicatos de trabalhadores ou patronais, dos movimentos sociais ou da sociedade civil", observa Kotscho, em seu blog.

"Até quando vamos todos ficar de braços cruzados, assistindo a este desmanche do mercado de trabalho, enquanto grandes empresas anunciam seus lucros no mesmo período?", questiona o jornalista. "Daqui a três meses, sai nova pesquisa do IBGE e, por tudo que vemos, os números do desemprego só tendem a piorar", analisa.

Leia aqui a íntegra.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247