“Lava Jato não pode estar a serviço de correntes políticas”

Jornalista Janio de Freitas lembra caso histórico do jornalismo de 1994, quando um casal dono de uma escola infantil teve a vida arruinada após ser acusado de fazer orgias sexuais com as crianças, o que ficou provado ser mentira; "Os 'vazamentos' da Lava Jato, da Zelotes e outros seguem o mesmo padrão do caso Escola Base: um policial/procurador diz, é o suficiente", compara; ele lembra que há, "agora, um agravante sobre o caso anterior: o direcionamento"

Jornalista Janio de Freitas lembra caso histórico do jornalismo de 1994, quando um casal dono de uma escola infantil teve a vida arruinada após ser acusado de fazer orgias sexuais com as crianças, o que ficou provado ser mentira; "Os 'vazamentos' da Lava Jato, da Zelotes e outros seguem o mesmo padrão do caso Escola Base: um policial/procurador diz, é o suficiente", compara; ele lembra que há, "agora, um agravante sobre o caso anterior: o direcionamento"
Jornalista Janio de Freitas lembra caso histórico do jornalismo de 1994, quando um casal dono de uma escola infantil teve a vida arruinada após ser acusado de fazer orgias sexuais com as crianças, o que ficou provado ser mentira; "Os 'vazamentos' da Lava Jato, da Zelotes e outros seguem o mesmo padrão do caso Escola Base: um policial/procurador diz, é o suficiente", compara; ele lembra que há, "agora, um agravante sobre o caso anterior: o direcionamento" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O jornalista Janio de Freitas recorda um caso histórico no jornalismo para criticar o "direcionamento" da Operação Lava Jato em sua coluna deste domingo 10. Em 1994, um casal dono de uma escola infantil teve a vida arruinada após ser acusado de fazer orgias sexuais com as crianças, o que foi provado ser uma mentira, o famoso caso Escola Base.

"Os 'vazamentos' da Lava Jato, da Zelotes e outros seguem o mesmo padrão do caso Escola Base: um policial/procurador diz, é o suficiente", compara Janio. Ele lembra que há, "agora, um agravante sobre o caso anterior: o direcionamento". "A seletividade dos 'vazamentos' originários da Lava Jato incorpora-se à crescente imoralidade política: a Lava Jato é uma função do Estado, e não pode estar a serviço de correntes políticas e ideológicas", destaca.

"Por que o escarcéu só com alguns dos apontados pelo ex-presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques Azevedo, como recebedores de dinheiro do consócio construtor da usina Belo Monte? Por que embaralhar doações legais e ilegais, pagamentos e caixa dois? Não é decente", critica o jornalista. "Em nada prejudicariam a Lava Jato e a imprensa as práticas, de parte a parte, respeitosas das leis pela primeira e da ética pela segunda", completa.

Leia aqui a íntegra.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email