Luis Costa Pinto: Aécio quer seguir enrolando ingênuos que acreditaram nele

O jornalista Luis Costa Pinto criticou o artigo do senador Aécio Neves desta segunda-feira, 16, no qual ele diz que foi "ingênuo" ao pedir propina à JBS e sugerir matar o primo; "Aécio Neves, que é um desqualificado e escroque, alimenta ainda a esperança de seguir enrolando os ingênuos, os hipócritas e os cretinos que um dia acreditaram nele. O artigo que assina hoje na Folha de S Paulo, defendendo-se pela pena de um consórcio de advogados e assessores (ele não consegue redigir três linhas com nexo), é uma peça que se localiza entre o infantil e o ardil"

O jornalista Luis Costa Pinto criticou o artigo do senador Aécio Neves desta segunda-feira, 16, no qual ele diz que foi "ingênuo" ao pedir propina à JBS e sugerir matar o primo; "Aécio Neves, que é um desqualificado e escroque, alimenta ainda a esperança de seguir enrolando os ingênuos, os hipócritas e os cretinos que um dia acreditaram nele. O artigo que assina hoje na Folha de S Paulo, defendendo-se pela pena de um consórcio de advogados e assessores (ele não consegue redigir três linhas com nexo), é uma peça que se localiza entre o infantil e o ardil"
O jornalista Luis Costa Pinto criticou o artigo do senador Aécio Neves desta segunda-feira, 16, no qual ele diz que foi "ingênuo" ao pedir propina à JBS e sugerir matar o primo; "Aécio Neves, que é um desqualificado e escroque, alimenta ainda a esperança de seguir enrolando os ingênuos, os hipócritas e os cretinos que um dia acreditaram nele. O artigo que assina hoje na Folha de S Paulo, defendendo-se pela pena de um consórcio de advogados e assessores (ele não consegue redigir três linhas com nexo), é uma peça que se localiza entre o infantil e o ardil" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Luis Costa Pinto, em seu Facebook - Aécio Neves, que é um desqualificado e escroque, alimenta ainda a esperança de seguir enrolando os ingênuos, os hipócritas e os cretinos que um dia acreditaram nele.

O artigo que assina hoje na Folha de S Paulo, defendendo-se pela pena de um consórcio de advogados e assessores (ele não consegue redigir três linhas com nexo), é uma peça que se localiza entre o infantil e o ardil. Não vale nada.

Aliás, como o signatário da peça. Não reproduzo porque esse é um espaço qualificado.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247