Luis Miguel: se não houver reação enérgica do povo, será 7 a 1 todo dia

Cientista político Luis Felipe Miguel afirma que a rejeição da denúncia contra Michel Temer foi uma derrota anunciada que apenas reforça o que já se sabe; "A esmagadora maioria do Congresso só se move pelo fisiologismo mais barato ou pelos interesses antipopulares de seus patrocinadores", diz; "O problema de quem foi às manifestações contra a corrupção nunca foi a corrupção, mas o risco de redução das hierarquias sociais. Se o campo popular não conseguir forças para reagir nas ruas, com protestos, greves, ocupações e desobediência civil, continuará sendo um 7 a 1 por dia"

Cientista político Luis Felipe Miguel afirma que a rejeição da denúncia contra Michel Temer foi uma derrota anunciada que apenas reforça o que já se sabe; "A esmagadora maioria do Congresso só se move pelo fisiologismo mais barato ou pelos interesses antipopulares de seus patrocinadores", diz; "O problema de quem foi às manifestações contra a corrupção nunca foi a corrupção, mas o risco de redução das hierarquias sociais. Se o campo popular não conseguir forças para reagir nas ruas, com protestos, greves, ocupações e desobediência civil, continuará sendo um 7 a 1 por dia"
Cientista político Luis Felipe Miguel afirma que a rejeição da denúncia contra Michel Temer foi uma derrota anunciada que apenas reforça o que já se sabe; "A esmagadora maioria do Congresso só se move pelo fisiologismo mais barato ou pelos interesses antipopulares de seus patrocinadores", diz; "O problema de quem foi às manifestações contra a corrupção nunca foi a corrupção, mas o risco de redução das hierarquias sociais. Se o campo popular não conseguir forças para reagir nas ruas, com protestos, greves, ocupações e desobediência civil, continuará sendo um 7 a 1 por dia" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Luis Felipe Miguel, em seu Facebook - O que a nova derrota da denúncia contra Temer no Congresso nos ensina?

Nada.

Foi uma derrota anunciada que apenas reforça o que todos já sabíamos. A esmagadora maioria do Congresso só se move pelo fisiologismo mais barato ou pelos interesses antipopulares de seus patrocinadores. O governo do usurpador não se importa de destruir o país para ganhar uma sobrevida. O problema de quem foi às manifestações contra a corrupção nunca foi a corrupção, mas o risco de redução das hierarquias sociais. Se o campo popular não conseguir forças para reagir nas ruas, com protestos, greves, ocupações e desobediência civil, continuará sendo um 7 a 1 por dia.

Não é que as lições não estejam dadas. Só falta a gente aprender.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247