Marielle incorpora 'todas as lutas', diz sociólogo

O sociólogo Laymert Garcia dos Santos afirma que Marielle transcende a memória de uma ativista libertária: "ela representa a luta de gênero, a luta de classe, a luta de raça e por direitos humanos. E ela faz isso de uma maneira muito própria, que vai além de militância, porque, ao mesmo tempo em que são opções políticas que ela fez, ela encarna isso, cada uma dessas facetas, no próprio modo de existência dela"

Marielle incorpora 'todas as lutas', diz sociólogo
Marielle incorpora 'todas as lutas', diz sociólogo (Foto: Sputnik / Paula Magalhães)

Da Rede Brasil Atual - A enorme propagação de manifestações e atos políticos no Brasil e no mundo, na data em que se completou um ano do assassinato da Marielle Franco, nesta quinta-feira (14), se deu por características muito especiais da luta da vereadora do Psol no Rio de Janeiro. Na opinião do sociólogo Laymert Garcia dos Santos, há "uma novidade muito grande no que Marielle encarna".

A novidade é algo que as pessoas e militâncias, no Brasil e no exterior, começam só agora a entender, como que intuitivamente: o significado de Marielle é que ela representa todas as lutas.

"Ela representa a luta de gênero, a luta de classe, a luta de raça e por direitos humanos. E ela faz isso de uma maneira muito própria, que vai além de militância, porque, ao mesmo tempo em que são opções políticas que ela fez, ela encarna isso, cada uma dessas facetas, no próprio modo de existência dela", diz Laymert.

É paradoxal que o Brasil tenha precisado da morte de Marielle para que houvesse uma reação como a vista no dia 14. "É paradoxal porque indica, de certa maneira, a letargia e o atraso da consciência no Brasil."

Quando o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou que "ninguém conhecia quem era Marielle antes de ela ser assassinada", ele tentou reduzi-la a uma dimensão mínima. "Para ele, Marielle era uma líder comunitária de merda, e 'matável' por milicianos. Matável no sentido que Giorgio Agamben fala: uma vida nua que pode ser 'matada' sem consequência".

Mas, como mostra a realidade, o filho do presidente da República se enganou, as consequências são reais e a reação, impressionante. "E a tendência é só crescer. A luta dela, em vez de acabar com a morte, se multiplicou."

Laymert falou à RBA.

Qual o significado da repercussão do aniversário da morte de Marielle Franco no Brasil e no mundo?

Marielle traz uma novidade muito grande no que ela encarna: ela representa a luta de gênero, a luta de classe, a luta de raça e por direitos humanos. E ela faz isso de uma maneira muito própria, que vai muito além de militância, porque, ao mesmo tempo em que são opções políticas que ela fez, ela encarna isso, cada uma dessas facetas, no próprio modo de existência dela. Acho que foi por isso que comoveu de maneira tão forte, com a sua morte, não só no Brasil. Mesmo quem não a conhecia, quando conheceu quem ela era, de uma maneira ou de outra, foi tocado por alguma faceta dessas lutas. E essa faceta contamina as outras facetas de luta. Ela é uma espécie de emblema da sinergia dessas lutas. Por isso teve um alcance internacional tão forte, que só tende a crescer.

RBA
NYT-Marielle.jpg
Um ano após sua morte, Marielle se tornou um grito de guerra em um Brasil polarizado, diz NYT

Mesmo assim, essa reverberação mundial não é surpreendente?

É completamente surpreendente, tanto mais porque não se conhecia a luta dela internacionalmente. Quando as pessoas ficam conhecendo o que ela encarna, o que encarnava, o que era ela com a luta dela, entendem que extrapola o Brasil, que a luta é muito maior do que uma luta só no Brasil. Ela (e sua luta) é totalmente brasileira, mas é internacional ao mesmo tempo. A repercussão foi enorme por causa desse amálgama. Ela é um emblema, e um emblema de que isso é possível. É um emblema de que é possível essa sinergia de lutas, num modo de vida, num modo de existência.

O contraponto disso é quando Eduardo Bolsonaro, recentemente, falou que "ninguém conhecia quem era Marielle antes de ela ser assassinada", tentando reduzi-la a uma dimensão mínima, como se dissesse que "ela ficou conhecida porque deram mídia para ela". Ele mostra a incompreensão da dimensão do que é isso que estou falando. Porque, para ele, Marielle era uma líder comunitária de merda, e "matável". Matável por milicianos, no sentido que Giorgio Agamben fala: uma vida nua que pode ser "matada" sem consequência.

E acontece que, justamente pelo modo como ela encarnava todas essas lutas, essa vida que era "matável" se tornou um emblema da sinergia de lutas e ganhou essa dimensão. E a tendência é só crescer. A luta dela, em vez de acabar com a morte, se multiplicou.

Não é paradoxal que o Brasil, depois de todo o processo pelo qual passou de 2015 e 16 para cá, tenha precisado de uma morte como a dela para que houvesse uma reação desse nível?

É paradoxal porque indica, de certa maneira, a letargia e o atraso da consciência no Brasil. O atraso e a maneira como se concebe tudo isso fragmentado, como opções políticas apenas, e não como modos de existência. E, como opções fragmentadas, ou você briga por classe, ou por raça, ou você briga no feminismo, ou por gênero LGBT etc. E não se entende que tem uma ligação profunda entre todas essas lutas. Foi preciso que alguém encarnasse isso para as pessoas começarem a se tocar.

Segundo o jornal The New York Times, o assassinato de Marielle acabou por provocar uma "urgência de vida ou morte nos movimentos de direitos que ela adotou". Isso tem a ver com sua análise?

Acho que tem, sim, no sentido de ter um despertar. Porque o limite foi ultrapassado, mas o limite que foi ultrapassado foi o limite do intolerável. Enquanto essas lutas estavam todas divididas em caixas, o limite do intolerável não tinha sido ultrapassado. Com a morte dela, as pessoas começaram a se tocar de que não podiam mais tolerar o intolerável.

A morte mostrou como a extrema-direita reagiu, comemorando uma execução, e por outro lado despertou esse sentimento de se ter ultrapassado o limite. Mas é porque era essa figura que era emblemática, e as pessoas nem sabiam que existia isso, esse feixe de lutas que podia ser exercido dessa maneira. Você vê que passou um ano e só cresceu, de lá para cá, a coisa toda de Marielle.

A repercussão internacional ajudou a chegar aos suspeitos?

Acho que a pressão internacional foi forte e vai aumentar. Uma representante da ONU (Birgit Gerstenberg, representante para América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos) já indicou isso, que é preciso encontrar os mandantes. Essa historinha de que só apontar os executores satisfaz... Não satisfez e não vai satisfazer. A pressão só vai aumentar. E essa versão que tentaram apresentar, de que foi um crime de ódio e ponto, não colou. É importante a pressão internacional, não só porque mostra o efeito no mundo desse processo, mas porque reforça também internamente essa repercussão.

Acha que vai se chegar aos mandantes?

Eu acho que precisa chegar aos mandantes. Porque enquanto não se chegar a eles essa história não terminou. A pressão precisa ser muito forte para se chegar aos mandantes, sejam eles quem forem.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247