Maringoni: Globo oficializou censura interna

"A nova diretriz da Globo, impondo rígida censura interna às atividades extra-expediente de seus jornalistas em redes sociais e outros espaços públicos, apenas explicita que a rede decidiu jogar as aparências às favas", avalia Gilberto Maringoni. "O que era ameaça tácita aos profissionais da casa torna-se agora letra de lei interna. Um pacto faustiano: eu lhe dou emprego e você me entrega a alma"

Maringoni: Globo oficializou censura interna
Maringoni: Globo oficializou censura interna
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Gilberto Maringoni, em seu facebook A nova diretriz da Globo, impondo rígida censura interna às atividades extra-expediente de seus jornalistas em redes sociais e outros espaços públicos, apenas explicita que a rede decidiu jogar as aparências às favas e colocar no papel algo já corrente há pelo menos 12 anos.

Não se deve esquecer que os jornalistas Rodrigo Vianna e Luiz Carlos Azenha foram punidos com advertência e demissão (o primeiro) por terem desmontado em blogues pessoais a farsa dos chamados aloprados. Isso se deu nas eleições de 2006, quando a Globo e outros conglomerados decidiu criar um escândalo para criminalizar a campanha de Lula em sua disputa contra José Serra.

O que era ameaça tácita aos profissionais da casa torna-se agora letra de lei interna. Um pacto faustiano: eu lhe dou emprego e você me entrega a alma.

Como liberdade de imprensa nada tem a ver com liberdade de opinião, na visão liberal, mas com liberdade de empresa, está tudo certo. Vale a máxima de Assis Chateubriand, dita a um jornalista: "Quer ter opinião? Monte seu próprio jornal".

Os altos salários da casa - aparentemente à exceção de Chico Pinheiro - não parecem ter grandes problemas. Sardenbergs, Leitões e Bonners já desposam a opinião do patrão sem questionamento. Mas a massa de jornalistas dos escalões médios e inferiores - que padecem a sina da rotatividade laboral acelerada - segue o dístico da porta do Inferno: "Abandonai toda a esperança, vós que entrais".

O imperativo nada tem a ver com a pretensa imparcialidade midiática. Tem a ver com os tempos, em que fatos e provas são deixados de lado em favor de convicções - sinceras ou compradas - na disputa de agenda em tempos de golpe e de mitigação da democracia.

Os que se submetem - por opção ou necessidade - ao ucasse patronal devem mirar suas imagens nas telas como retratos de Dorian Gray. Eternamente jovens, eternamente célebres por quinze minutos, eternamente empregados até o próximo passaralho.

João Roberto Marinho, que assina a carta interna publicada hoje em O Globo, tira de cena qualquer justificativa elevada e apenas leva adiante a rápida agonia de algo que tenha algum parentesco com jornalismo na chamada grande imprensa.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247