Mello Franco: CPI do Coronavírus será o primeiro teste dePacheco no Senado

Jornalista Bernardo Mello Franco destaca que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, terá que decidir se abre ou não uma CPI para investigar o descaso do governo Jair Bolsonaro com a pandemia do coronavírus. "Há dez dias ele cozinha o requerimento apresentado pelo oposicionista Randolfe Rodrigues", diz o colunista

Jornalista Bernardo Mello Franco e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco
Jornalista Bernardo Mello Franco e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (Foto: Reprodução | Marcos Brandão/Senado Federal)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em sua coluna publicada no jornal O Globo, o jornalista Bernardo Mello Franco afirma que, "depois do Carnaval, Rodrigo Pacheco passará pelo primeiro teste na presidência do Senado". "Terá que decidir se abre uma CPI para investigar a omissão do governo federal no combate à pandemia. Há dez dias ele cozinha o requerimento apresentado pelo oposicionista Randolfe Rodrigues. Na próxima quinta-feira, precisará anunciar um veredito", diz.

De acordo com o jornalista, "se instalada, a CPI do Coronavírus terá farto material de trabalho". "O ponto de partida será o colapso dos hospitais em Manaus. O Ministério da Saúde foi avisado de que faltaria oxigênio, mas cruzou os braços e deixou que pacientes morressem sufocados", continua.

"Pazuello já prestou depoimento à Polícia Federal sobre a omissão do ministério na crise. No entanto, há forte desconfiança no Congresso sobre a autonomia da PF para investigar o caso", acrescenta.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email