Mello Franco: filhos de Bolsonaro se tornaram o principal fator de instabilidade da República

O jornalista Bernardo Mello Franco constata que Bolsonaro "parece tratar os filhos como príncipes regentes". "Em 2019, passou a vigorar a Lei de Jair: 'Se eu puder dar filé mignon pro meu filho, eu dou'", acrescenta

(Foto: Reproduçao)

247 - O jornalista Bernardo Mello Franco, em sua coluna no jornal O Globo, afirma que "Jair Bolsonaro foi ao Japão para assistir à entronização do imperador. Naruhito assume o lugar de Akihito, que abdicou em abril. Por aqui, o presidente parece tratar os filhos como príncipes regentes". 

"Os filhos de Bolsonaro se tornaram o principal fator de instabilidade da República. Os rolos de Flávio, o Zero Um, já levaram Jair a interferir na Polícia Federal, na Receita e no Coaf. Os rompantes de Carluxo, o Zero Dois, provocaram a demissão de dois ministros e impuseram uma mordaça ao vice-presidente."

"Os sonhos de Eduardo têm atrasado a pauta do Senado, que resiste a aprovar sua promoção a embaixador. Agora a indicação a líder ameaça criar novos problemas na Câmara. Desta vez, o presidente não poderá decapitar os insatisfeitos. Eles também foram eleitos para mandatos de quatro anos."

"O deputado Júnior Bozzella, ligado à cúpula do PSL, diz que a proteção ao clã presidencial 'ultrapassou todos os limites'. 'É uma arbitrariedade depois da outra, sempre para favorecer a família. Temos que salvar o Brasil dos filhos do presidente'", afirma.

"Em 1976, o país foi apresentado à Lei de Gerson: 'Gosto de levar vantagem em tudo, certo?'. Em 2019, passou a vigorar a Lei de Jair: 'Se eu puder dar filé mignon pro meu filho, eu dou”."

Ao vivo na TV 247 Youtube 247